Ed Ferreira/Estadão
Ed Ferreira/Estadão

Temer espera comissão para definir ministro

Após sorteio do relator, presidente aguarda CCJ no Senado para nomear novo integrante do Supremo Tribunal Federal

Vera Rosa, O Estado de S.Paulo

03 de fevereiro de 2017 | 05h00

BRASÍLIA - O presidente Michel Temer vai esperar a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) ser formada no Senado para só então indicar o novo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). A estratégia foi traçada pelo Palácio do Planalto para impedir que o nome a ser escolhido para a vaga do ministro Teori Zavascki seja alvo de críticas até a instalação da CCJ.

Cabe aos 27 integrantes da CCJ promover uma sabatina com o indicado pelo presidente para o Supremo. O colegiado pode tanto aprovar como rejeitar a designação. O nome também passa pelo crivo do plenário do Senado.

Temer avisou nesta quinta-feira, 3, a aliados que aguardará a composição da CCJ, na próxima semana, para encaminhar o seu nome preferido ao Senado. Fez isso porque muitos achavam que, com o anúncio de Edson Fachin para substituir Teori na relatoria da Operação Lava Jato, o governo enviaria ainda hoje o nome do novo ministro. Teori morreu em acidente aéreo, no dia 19.

‘Chuva’. O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, disse que Temer escolherá um “perfil técnico e estudioso” para a vaga. “O nome sairá nos próximos dias. Eu apostaria que na segunda-feira”, afirmou Padilha, após participar, ontem, da cerimônia de abertura dos trabalhos do Legislativo. 

No Planalto, auxiliares de Temer dizem que tudo será feito para evitar que o indicado fique “na chuva” por muito tempo. Entre os cotados figura o ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Luís Felipe Salomão. O titular da Justiça, Alexandre de Moraes, também estava nessa lista. Ontem, porém, a pasta comandada por Moraes foi fortalecida e ganhou o nome de Ministério da Justiça e da Segurança Pública, o que foi interpretado como um sinal de que ele ficará.

Até agora, o presidente está mais propenso a nomear um integrante do STJ para o Supremo. A corte reivindica a vaga, sob a alegação de que Teori foi daquele tribunal. Além disso, se agir assim, Temer também terá o direito de escolher um outro nome para o STJ, o que é interessante para o governo.

Vazamentos. O receio do Planalto é o de que vazamentos seletivos de trechos das delações premiadas de 77 executivos e ex-diretores da Odebrecht à Lava Jato atinjam senadores da base aliada antes da nomeação do ministro do Supremo. A preocupação é com retaliações, na CCJ e também no plenário, daqueles que se sentirem prejudicados pela Lava Jato. Temer tem recebido pressões de políticos para que sua escolha recaia sobre um perfil mais crítico à ofensiva do Ministério Público Federal.

O novo presidente da CCJ será do PMDB. Escolhido para líder da bancada, o ex-presidente do Senado Renan Calheiros (AL) quer agora emplacar na comissão o colega Edson Lobão (MA), também aliado do ex-presidente José Sarney.

Há três inquéritos no Supremo contra Lobão, sendo dois eles no âmbito da Lava Jato. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.