Ed Ferreira/Estadão
Ed Ferreira/Estadão

Temer embarca para Bahia com a família para passar o carnaval

Presidente vai passar feriado na Base Naval de Aratu, que terá vigilância reforçada para evitar registro de imagem de primeira-dama em trajes de banho

Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

24 de fevereiro de 2017 | 18h56

BRASÍLIA - O presidente Michel Temer embarcou, no início desta noite, 24, para Salvador (BA), em companhia da família para passar os feriados do carnaval, na Base Naval de Aratu. Temer passou a manhã no Planalto, administrando as diferentes crises políticas que atingem seu governo e, por conta disso, atrasou a sua decolagem em cerca de quatro horas. A principal foi a provocada pelas declarações do advogado, seu ex-assessor e antigo amigo José Yunes, que disse ter intermediado o recebimento e entrega de um "envelope" para o atual ministro da casa Civil, Eliseu Padilha.

Temer aproveitou, também, para receber o deputado Lelo Coimbra (PMDB-ES), quando o convidou para ser o líder da maioria na Câmara, com objetivo de estancar outra crise, da revolta de alas peemedebistas que ficaram descontentes com a nomeação do paranaense Osmar Serraglio para o Ministério da Justiça, em detrimento do peemedebista mineiro. Decidiu também anunciar a nomeação do deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) para liderança do governo na Câmara. A designação do novo ministro das Relações Exteriores para o lugar de José Serra ficou para depois do carnaval.

Antes de embarcar, Temer se reuniu com o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, e fez questão de ir ao Hospital Santa Lúcia, por volta das 15h30, visitar o presidente do Senado, Eunício Oliveira, que está internado lá desde quinta, 23, depois de ser submetido a uma cirurgia de retirada da vesícula. Temer voltou ainda ao Palácio da Alvorada para alguns novos telefonemas. Pouco antes das 18 horas deixou sua residência oficial, em companhia da família e, em seguida, embarcou para a Bahia, onde deverá ficar até, no máximo, a próxima Quarta-Feira de Cinzas. Lá, Temer deverá se reunir com o ministro da Secretaria de Governo, Antônio Imbassahy, que mora na Bahia.

Temer foi descansar na Base Naval de Aratu, que também já foi usada pelos presidentes anteriores. No final do ano, ele e a família foram para a restinga da Marambaia, no Rio de Janeiro, outra unidade militar. O presidente tem buscado locais reservados para aproveitar dias de folga com a família. Mas, mesmo nessas ocasiões, o presidente não deixa de ficar em contato com assessores, além de manter conversas políticas. Ao optar pela base de Aratu, Temer foi em busca de privacidade inclusive para preservar a primeira-dama, Marcela, e impedir, por exemplo, que sejam feitas imagens dela em trajes de banho.

Por causa disso, uma equipe do escalão avançado com um enorme número de seguranças voou para Salvador na manhã de quinta-feira, 23, para fazer reconhecimento e proteção do local. A área próxima à base naval será isolada para que curiosos e a imprensa não tenham acesso ao local. 

Em janeiro de 2010, uma imagem tomou conta de todas as mídias e foi amplamente divulgada. Mostrava o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva carregando na cabeça uma caixa de isopor, na Praia de Inema, na Bahia, acompanhado da ex-primeira-dama Marisa Letícia. Em outra imagem, Marisa usava um maiô branco com a estrela vermelha do PT. O ex-governador da Bahia Jacques Wagner e sua mulher, Fátima, costumavam se encontrar com o casal petista na casa da Marinha.

A proteção da base naval de Aratu não será apenas por terra. Será por mar também e ficará a cargo da Marinha, que colocará embarcações militares para evitar que qualquer tipo de lancha particular se aproxime do local. Esse tipo de proteção, fazendo uma imensa área de isolamento, por terra e por mar, sempre foi adotado também durante o período que os ex-presidentes Lula e Dilma Rousseff estiveram na Bahia. Dilma se queixava e brigava também pela necessidade de privacidade de sua família. No caso de Lula, Marisa era quem mais reclamava dos curiosos.

Quando esteve em Mangaratiba no réveillon passado, Temer andou pela beira da praia, às vezes acompanhado de Marcela, às vezes do ajudante de ordens. Em algumas das caminhadas, Temer usava boné para disfarçar e, muitas vezes, passou por pescadores da região, sem ser notado. Em outras ocasiões, se sentiu incomodado ao ser reconhecido e assediado para tirar fotos ao seu lado. Em uma de suas caminhadas, o presidente acabou cruzando com a frase escrita na areia "Fora Temer".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.