Marcos Arcoverde/Estadão
Marcos Arcoverde/Estadão

Temer é leal ao nosso projeto e a Dilma, afirma Mercadante

BRASÍLIA - ao final de reunião da presidente Dilma Rousseff com líderes no Congresso Nacional e presidentes dos partidos da base aliada no Palácio do Planalto, o ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, defendeu nesta terça-feira, 7, a escolha de Michel Temer como novo articulador político do governo. "Temer é leal ao nosso projeto, leal à presidente Dilma", disse Mercadante.

Rafael Moraes Moura e Ayr Aliski, O Estado de S. Paulo

07 de abril de 2015 | 20h18


A vice-presidência da República incorporará, a partir de agora, as funções da Secretaria de Relações Institucionais (SRI). Ou seja, o petista Pepe Vargas deixa o Palácio do Planalto e a articulação política fica sob o comando de Temer. Na entrevista, Mercadante disse também que Pepe compreenderá a necessidade da mudança. 


Segundo o ministro da Casa Civil, a solução política anunciada hoje "ajuda a harmonizar melhor as relações com o Congresso, entre os poderes, com a base aliada". Ele disse que a solução política encontrada ajudará bastante no diálogo, no fortalecimento da base aliada no Congresso. "Será um momento de agregação com todas as forças políticas que compõem a base aliada".


Na prática, admitiu Mercadante, o governo passará a ter 38 ministérios, um a menos do que até agora. "Eu queria também aproveitar, o reconhecimento do governo e das lideranças pela dedicação, pelo empenho, seriedade, ética, comportamento do ministro Pepe Vargas", completou Mercadante. 



"Não discutindo a seriedade, a competência, mas a melhor solução nessa articulação institucional", defendeu Mercadante. "Pepe é homem público, vivido, experiente, e sabe que essa é a melhor opção neste momento".


Sobre o relançamento do pacto sobre a responsabilidade fiscal, Mercadante disse que a reedição tornou-se necessária diante de uma nova legislatura. "O pacto era da legislatura anterior. 47% dos deputados não estavam, assim como um terço do Senado", disse. 


Ele lembrou que recentemente houve queda do preço das commodities, desaceleração da economia chinesa, da União Europeia e dúvidas em relação à força da recuperação dos Estados Unidos, além de forte seca, no Brasil, que afetou o setor elétrico, deixando a energia mais cara. 


"O esforço exige neste momento travessia que tem de ser ancorada na responsabilidade fiscal. Será editado novo pacto assinado por todas as lideranças. Amanhã o vice-presidente Michel Temer acompanha essa iniciativa", ressaltou Mercadante. As Medidas Provisórias de ajuste fiscal não foram discutidas na reunião de hoje", disse Mercadante.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.