André Dusek|Estadão
André Dusek|Estadão

Temer é 'desleal' e encheu o governo de 'múmia paralítica', afirma Ciro

Para ex-ministro de Lula, o vice faz dobradinha com o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, e PSDB 'perdeu o pudor'

Entrevista com

Ciro Gomes

Vera Rosa, O Estado de S. Paulo

12 Dezembro 2015 | 07h26

BRASÍLIA - O ex-ministro da Integração Nacional Ciro Gomes (PDT) disse que fará de tudo para ajudar a presidente Dilma Rousseff a sair da crise e derrotar o PMDB. Em jantar com Dilma e o governador do Rio, Luiz Fernando Pezão (PMDB), na quinta-feira, Ciro afirmou que o vice Michel Temer "conspira" dentro do Palácio do Planalto e faz "dobradinha" com o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). "O que mais me impressiona é a deslealdade do vice, que, depois de empurrar uma montanha de múmia paralítica para dentro do governo, vem com uma carta patética para Dilma", disse Ciro ao Estado.

Ex-tucano, Ciro afirmou sentir "vergonha e pena" do PSDB, que decidiu unificar posição em favor do impeachment. "O PSDB perdeu o pudor e jogou sua história na lata do lixo. Está imitando o pior do PT", argumentou. "Eu vou para a rua contra o impeachment." Provável candidato do PDT à Presidência, em 2018, Ciro recomendou a Dilma que faça mudanças na economia para evitar o agravamento da crise e denuncie o "golpe".

O senhor vai participar de uma frente anti-impeachment?

Não tenho participação em nenhuma frente, mas estou na luta contra o golpe. Vou fazer minha militância com o PDT. É preciso ajudar o povo a entender que essa quadrilha representada por Eduardo Cunha está cometendo crimes em série e quer o golpe. Michel Temer é homem do Eduardo Cunha. Eu sei o que estou dizendo.

O senhor está dizendo que o vice-presidente faz dobradinha com Cunha?

Michel Temer está articulando com Cunha e conspirando faz tempo. O que ele faz é desleal e desonesto. Falei com clareza isso para a presidente.

E o que ela disse?

Aí não posso comentar. A conversa pertence a ela. Nós conversamos sobre o Brasil, a economia, a política... Ela mais ouviu do que falou. Dilma está serena e disposta a lutar. Eu disse que sou voluntário para ajudar em tudo o que for preciso. Não é em defesa do governo. É da democracia. Não há razão para impeachment.

E as pedaladas fiscais?

Fernando Henrique fez pedaladas, Lula fez pedaladas. É ruim, mas é muito menos do que crime para impeachment de presidente da República.

Como o senhor avalia a posição do PSDB, que decidiu se unificar em favor do impeachment?

O PSDB perdeu o pudor e jogou sua história na lata do lixo. Está imitando o pior do PT, que, em 1999, pregou o impeachment de Fernando Henrique. Fui para a rua contra isso com a mesma convicção que tenho hoje. Eu vou para a rua contra o impeachment de Dilma. Tenho vergonha e pena do PSDB, mas o que mais me impressiona é a deslealdade do vice, que, depois de empurrar uma montanha de múmia paralítica para dentro do governo, vem com uma carta patética para Dilma.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.