Temer diz que prisões de executivos não vão parar obras públicas

Temer diz que prisões de executivos não vão parar obras públicas

Para vice-presidente, empresas investigadas na Lava Jato vão continuar trabalhando

Ana Fernandes , O Estado de S. Paulo

17 de novembro de 2014 | 16h17

São Paulo - O vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB), disse nesta segunda-feira, 17, não acreditar que a Operação Lava Jato, da Polícia Federal, possa ter um impacto representativo sobre obras de infraestrutura no Pais. "Uma coisa é o combate aos ilícitos que eventualmente tenham sido praticados e outra coisa é a ação da iniciativa privada junto ao governo. As empresas continuarão a trabalhar independentemente do que venha a acontecer a seus diretores", disse Temer a jornalistas.

Na sexta-feira, 14, em nova fase da operação, a PF prendeu pessoas ligadas a nove das maiores empreiteiras brasileiras, suspeitas de pagar propina no suposto esquema de lavagem de dinheiro na Petrobrás. O advogado criminalista Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, que já defendeu políticos como o senador José Sarney (PMDB-AP), disse no fim de semana que caso as empreiteiras sejam declaradas inidôneas haveria o risco de se paralisar o País.

Temer ressalvou não ser especialista no tema, mas disse não acreditar na possibilidade de a investigação ter esse tipo de impacto.

Michel Temer reiterou que o PMDB, partido que preside, não teve participação institucional no possível esquema de corrupção envolvendo a estatal. Ele negou que houvesse um operador da legenda coordenando desvios, apontado pelas denúncias até aqui como Fernando Soares, o Fernando Baiano. "Nós do PMDB, institucionalmente, não conhecemos esse cidadão, não temos contato com ele. Institucionalmente não há nada. O que pode haver é um contato eventual de um ou outro integrante do PMDB, mas não do partido." Temer também reforçou a mensagem de que todas as doações, inclusive de empreiteiras, foram feitas de forma regular às campanhas do partido. "Já disse em nota, reitero aqui, que as contribuições que vieram para o PMDB vieram pela via institucional e as contas foram prestadas regularmente", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
Operação Lava Jato

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.