Temer diz que prisão de Vaccari 'não tem nenhuma conexão com o governo'

Vice-presidente assumiu a coordenação política do Palácio do Planalto na semana passada

NIVALDO SOUZA, Estadão Conteúdo

15 Abril 2015 | 15h09

O vice-presidente da República, Michel Temer, comentou nesta quarta-feira, 15, a prisão do tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, realizada hoje, como uma "questão da Justiça". "Isso não tem nenhuma conexão com o governo", destacou. Desde a semana passada, Temer assumiu a coordenação política do Palácio do Planalto.

A Polícia Federal prendeu nesta quarta-feira o tesoureiro do PT João Vaccari Neto, ouviu a mulher dele, Giselda Rousie de Lima, e cumpre mandado também contra uma cunhada do petista por envolvimento com o esquema da Operação Lava Jato. Vaccari é acusado de receber para o PT um porcentual da diretoria de Serviços da Petrobras na época em que era comandada por Renato Duque.

A força-tarefa da Operação Lava Jato - investigação sobre corrupção na Petrobras - identificou depósitos "picados", no limite próximo de R$ 10 mil, que somaram R$ 322,9 mil em conta da mulher do tesoureiro do PT. Em um único dia, 12 de dezembro de 2013, Giselda recebeu em conta cinco depósitos, quatro deles no valor de R$ 2 mil e um de R$ 1,5 mil. O rastreamento bancário de Giselda pegou o período de 1º de julho de 2006 a 18 de dezembro de 2014.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.