Dida Sampaio|Estadão
Dida Sampaio|Estadão

Temer diz que não processará Machado por acusação sobre propina na Lava Jato

'Você acha que eu ia me servir dele', questionou o presidente em exercício em entrevista à GloboNews

LUCIANA NUNES LEAL, O Estado de S. Paulo

21 de junho de 2016 | 22h13

RIO - O presidente em exercício Michel Temer disse que não processará o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, que o acusou de ter pedido recursos oriundos de propina para o candidato do PMDB à prefeitura de São Paulo Gabriel Chalita, em 2012, porque não fala "para baixo". Temer afirmou que Machado quer ganhar importância ao confrontar o presidente da República e disse que, com o prestígio que tem, não precisaria recorrer ao ex-executivo para obter ajuda de empresários.

"Você acha que eu ia me servir dele, tendo, com toda modéstia, o prestígio que  tenho,  no cenário nacional, para falar com empresário? Os empresários falavam e falam comigo permanentemente. Jamais pedi a ele", disse Temer em entrevista ao jornalista Roberto D'Avila, da GloboNews. "Não vou processá-lo porque o que ele mais deseja é isso. Quando verifiquei a delação completa, ele não falou apenas de mim, falou dos partidos mais variados. Ele só respondeu ao meu pronunciamento. Ele quer polarizar com o presidente da República, não vou dar esse valor a ele, não falo para baixo" declarou.

O presidente disse esperar que nenhum outro ministro tenha que deixar o governo, depois da saída de Romero Jucá do Planejamento e Henrique Eduardo Alves do Turismo, envolvidos nas investigações da Lava Jato. Temer lembrou que os investigadores apuram uma suposta doação ilegal de R$ 100 mil ao ministro da Educação, Mendonça Filho, pela empresa UTC. "Coitado do Mendonça Filho", disse o presidente.

Dilma. Questionado sobre os motivos que levaram seu governo a restringir o uso de aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) pela presidente afastada apenas a voos para Porto Alegre, Temer disse que a petista tinha intenção de percorrer o País para denunciar "o golpe". "A senhora presidente, convenhamos, não está no exercício da Presidência, não tem atividades de natureza governamental. A senhora presidente utilizaria o avião para fazer campanha denunciando o golpe. É uma situação esdrúxula, quando menos estranha. A decisão jurídica é para deslocamento para seu Estado", disse.

Temer criticou a proposta de Dilma de, se voltar para o governo, seja realizado um plebiscito para realização de novas eleições. "A leitura que se faz é que, se ela vai voltar para convocar eleições, é porque não quer governar".

Temer assegurou que não disputará a reeleição se o Senado aprovar em definitivo o impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff. "Não serei candidato à reeleição. Deus me colocou isso no colo para eu cumprir uma tarefa. Vou cumprir essa tarefa redimindo milhões de brasileiros, quase 12 milhões de desempregados. Se, ao final do período, houver 500 mil desempregados, terá sido uma tarefa fantástica. Não quero mais que isso", respondeu. O presidente afirmou que governar como interino "é complicado, porque gera certa instabilidade".

Cunha. O presidente em exercício negou que o presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), tenha influído na escolha do líder do governo  na Câmara, André Moura (PSC-CE). "Eduardo Cunha não tem nada a ver com isso. Atendi o pleito de partidos e consultei toda a base parlamentar. O nome foi aceito", respondeu. Temer afirmou que Cunha "é um batalhador, do ponto de vista político e jurídico".

Para Temer, a indefinição sobre o futuro de Cunha, que teve o parecer pela cassação do mandato aprovado no Conselho de Ética da Câmara e agora tenta se salvar na votação em plenário, é um "complicador". "É interessante que a Câmara decida logo seu próprio destino", disse. Mesmo assim, destacou que o governo tem conseguido aprovar matérias importantes no Congresso.

Reformas. Ao comentar, no entanto, sobre um dos pontos mais polêmicos defendidos por alguns de seus aliados, a reforma da Previdência, Temer disse que só será levada adiante se o Senado aprovar em definitivo a saída da presidente Dilma. "Depois da decisão do Senado abre-se um campo muito mais vasto para a governabilidade. Certas questões que não deu tempo para tratar, tratarei depois, só tratarei da reforma da previdência depois de resolvida (a votação no Senado)".

Temer rejeitou a tese de que, como candidato a vice, não teve votos. "Nos elegemos juntos, muita gente votou porque eu era candidato", afirmou.

Dívidas. Sobre o acordo com o Estados para adiar o pagamento das dívidas, o presidente afirmou que "a União perde R$ 50 bilhões, mas os Estados ganham". "Em um Estado democrático, a União é forte e os Estados são fortes", declarou.

  

O presidente negou estar em contato com senadores indecisos para que façam a opção definitiva pelo impeachment. "Se eu conversasse com indecisos, estaria fazendo campanha e não estou fazendo. De vez em quando eles conversam comigo em função dos interesses de seus Estados, ele não tocam nesse assunto comigo. São muito elegantes nesse sentido", afirmou. "A comissão do impeachment está trabalhando ativamente, isso dá legitimidade ao processo, seja a decisão num sentido no outro", disse.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.