DIDA SAMPAIO/ESTADÃO
DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

Temer diz que não há crise institucional no Brasil

'Temos falado muito de crise, crise, crise. É como se nós tivéssemos no nosso gen, no nosso espírito, a necessidade de ter uma crise no Brasil a cada 25, 30 anos', afirmou o articulador político do governo

Vera Rosa, O Estado de S. Paulo

01 de julho de 2015 | 19h15

Brasília - No dia em que a pesquisa CNI/Ibope apontou um recorde de avaliação negativa do governo desde a redemocratização, o vice-presidente Michel Temer amenizou as dificuldades no cenário político e econômico e disse não haver crise no Brasil. Apesar da Operação Lava Jato, da Polícia Federal, que provoca preocupação no Palácio do Planalto, da rota de colisão do governo com o Congresso e dos problemas na economia, Temer viu apenas "pequenas dificuldades" no horizonte.

"Temos falado muito de crise, crise, crise. É como se nós tivéssemos no nosso gen, no nosso espírito, a necessidade de ter uma crise no Brasil a cada 25, 30 anos", afirmou Temer, que é articulador político do governo e comanda o PMDB. Presidente em exercício desde a viagem de Dilma Rousseff aos Estados Unidos, ele disse que o Brasil vive um momento de "tranquilidade" e negou a existência de uma crise institucional.

"Nós podemos ter uma pequena dificuldade econômica, que se resolve pela atuação conjugada do Legislativo, do Executivo e do Judiciário. Nós podemos ter uma suposta crise política, em face de divergência de um ou outro partido no Congresso, às vezes até dos partidos da base, mas inteiramente controlável", insistiu Temer, ao participar nesta quarta-feira da cerimônia de posse da deputada Luciana Santos na presidência do PC do B.

Com a declaração, feita um dia depois de o Senado aprovar projeto que reajustou os salários dos servidores do Judiciário, impondo mais uma derrota ao governo, Temer adotou o mesmo discurso de Dilma, avessa à palavra "crise".

"Temos de ser capazes de romper com esse ciclo histórico no Brasil, que a cada 25, 30 anos cria uma espécie de crise", argumentou o vice-presidente. "Nós estamos cumprindo a Constituição. Com (os governos) Lula e Dilma, todos nós elevamos para a classe média milhões e milhões de brasileiros".

A ordem no Planalto é afastar a ideia de crise institucional, no rastro dos escândalos de corrupção. "Temos de combater com vigor essa palavra. Não temos crise institucional, que é a maior de todas as crises, de jeito nenhum. E não vamos ter", destacou Temer.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.