André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Temer diz que conversa sobre desembarque será 'cortês e elegante'

Presidente não disse, contudo, quando seria essa conversa ou a saída definitiva dos tucanos

Marianna Holanda, O Estado de S.Paulo

02 de dezembro de 2017 | 12h06

LIMEIRA - O presidente Michel Temer afirmou, na manhã deste sábado, 2, que a conversa entre ele e o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, sobre o desembarque será "cortês e elegante". 

"(Nossa conversa) será cortês e elegante como é do meu estilo e do governador", afirmou, após evento de entrega de 900 casas do programa Minha Casa Minha Vida, em Limeira (SP). O presidente não disse, contudo, quando seria essa conversa ou o desembarque definitivo dos tucanos.

"Tenho certeza que o PSDB deu uma grande colaboração pro governo. Nós estamos um ano e meio (no governo), o PSDB esteve presente um ano e meio. Aliás, em ministérios de grande porte, como este do Minha Casa Minha Vida, o ministério das cidades", afirmou Temer. Em novembro, o tucano Bruno Araujo (PE) entregou a pasta, hoje sob o comando de Alexandre Baldy (Pode-GO), que também esteve presente no evento.

Apesar do gesto de aproximação, Alckmin não foi receber o presidente em Viracopos, como era esperado. Eles já se encontraram no evento em Limeira.

A expectativa era que eles conversassem ainda neste sábado, mas os dois só tiveram a oportunidade no trajeto rápido entre Limeira e Americana de helicóptero, em que foram juntos.

Esta foi a primeira vez desde março que o presidente vai para São Paulo para acompanhar entrega de moradias do Minha Casa Minha Vida. O gesto é uma tentativa de reaproximação com o governador.

+++ 'Quero dizer ao presidente Temer que conte conosco', diz Alckmin

A presença de Temer no evento deste sábado foi articulada por Moreira Franco,  ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Moreira Franco, na última terça-feira, 28, dia em que Alckmin aceitou comandar a presidência do partido. 

Durante o discurso no evento, Alckmin, que sempre defendeu o desembarque, acenou para o governo federal, quando disse: "Quero dizer ao presidente Temer que conte conosco".

Os ministros Luislinda Valois, dos Direitos Humanos, e Antônio Imbassahy, da Secretaria de Governo, devem entregar as pastas antes da convenção nacional do partido, 9, quando o partido deve anunciar que está oficialmente desembarcando do governo. Assim, o único ministro que continuará na gestão Temer é Aloysio Nunes, do Relações Exteriores, que deve sair em abril do ano que vem, para possivelmente disputar uma vaga no Senado.

Também estiveram presentes no evento o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, o presidente da Caixa, Gilberto Occhi, é um grupo de deputados.

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.