Temer diz que Brasil já investiga Petrobrás

Temer diz que Brasil já investiga Petrobrás

Vice-presidente minimiza apuração dos Estados Unidos sobre a estatal e afirma que país deve seguir a ação brasileira no caso

Elizabeth Lopes e Ana Fernandes, enviadas especiais, O Estado de S. Paulo

10 de novembro de 2014 | 11h54

Campinas - O vice-presidente da República, Michel Temer, minimizou a abertura de investigação por parte do governo dos Estados Unidos para apurar os escândalos da Petrobrás. Ao participar, na manhã desta segunda-feira, 10, da 66ª reunião da Frente Nacional de Prefeitos, Temer disse que órgãos brasileiros estão investigando as supostas irregularidades na estatal. E invocou a mesma expressão da presidente Dilma Rousseff, "doa a quem doer", para destacar que os eventuais culpados não serão poupados.

"A Constituição brasileira determina a autodeterminação dos povos. Se os Estados Unidos abriram investigação, têm que seguir, aliás, como o Brasil está fazendo", disse Temer, numa referência à abertura de investigação criminal por parte do departamento de Justiça dos EUA e à investigação civil pelo Securities and Exchange Comission (SEC, órgão do governo norte-americano que regula o mercado de capitais).

De acordo com reportagem do jornal britânico Financial Times, o Departamento de Justiça Americano abriu uma investigação criminal para saber se houve pagamento de propina a funcionários da estatal ou violações à lei americana de combate à corrupção.

Negócios da Petrobrás estão sendo investigados após denúncias de um suposto esquema de corrupção feitas pelo ex-diretor Paulo Roberto Costa e pelo doleiro Alberto Yousseff. Ambos foram presos em março durante a Operação Lava Jato da Polícia Federal, que apura um esquema de lavagem de dinheiro. Segundo Costa e Yousseff, que aceitaram dar informações à Justiça Federal em troca de perdão judicial, afirmaram que políticos recebiam propina em contratos da estatal. A compra da refinaria de Pasadena, no Texas (EUA), também motivou a abertura de CPIs no Congresso, ainda em curso.

Prefeituras. Durante a entrevista, Temer ainda garantiu que o governo federal está aberto ao diálogo com os municípios. Na abertura do evento, representantes da Frente apresentaram uma lista de pedidos a serem feitos ao governo, entre eles a cobrança por mais diálogo.

"Vamos apoiar os municípios. Sou uma das portas para este diálogo. A vice-presidência estará aberta para fazer o contato da Frente com o governo. A presidente Dilma estará aberta também ao diálogo, basta verificar os projetos que foram aprovados na Câmara e no Senado que beneficiam os municípios".

Tudo o que sabemos sobre:
Petrobrás

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.