Temer diz que aliança terá candidato do PMDB

O ex-presidente da Câmara, deputado Michel Temer (PMDB-SP), afirmou na tarde desta sexta-feira, em São Paulo, que seu partido deverá ter candidato próprio nas eleições presidenciais do ano que vem."O PMDB tem que ter candidato próprio, mas a aliança deve ser mantida", disse. Para o deputado, os outros partidos da aliança governista (PSDB, PFL e PPB) é que apoiarão o candidato do PMDB. O deputado não antecipou quem apoiará. "Hoje fico com o senador Pedro Simon (PMDB-RS), que já é pré-candidato há cinco ou seis meses", disse Temer. O deputado reafirmou sua condição de pré-candidato ao governo paulista em 2002. Ele disse que participará da prévia do partido, se houver. "Primeiro tem que decidir o diretório regional, para depois sabermos se haverá prévia ou não", salientou. Em uma possível prévia, Temer enfrentaria o ex-governador de São Paulo Orestes Quércia. "Ele (Quércia) até já me telefonou para dizer que está montando uma chapa", revelou. Temer disse ainda que, no caso de a aliança governista ser mantida nacionalmente em 2002, deverá ter a contrapartida nos Estados. "Não se pode fazer uma aliança nacional sem repercussões regionais", explicou.Ele não explicou como ficaria a disputa em São Paulo, por exemplo, onde o PMDB terá candidato próprio, e o PSDB também (o governador Geraldo Alckmin, caso seja considerado elegível pelo Tribunal Superior Eleitoral).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.