DIDA SAMPAIO/ESTADAO
DIDA SAMPAIO/ESTADAO

Temer diz esperar por 'solução rápida' do TSE a veículos estrangeiros

Presidente não disse se recorreria a uma eventual decisão de cassação da corte; na entrevista coletiva, ele defendeu que País está saindo da recessão

O Estado de S.Paulo

30 de maio de 2017 | 00h05

SÃO PAULO - Em uma entrevista coletiva com repórteres estrangeiros, nesta segunda-feira, o presidente Michel Temer pediu por uma "solução rápida" do Tribunal Supremo Eleitoral (TSE), que investiga o financiamento da chapa Dilma-Temer na campanha de 2014.

Analistas, no entanto, acreditam que o TSE pode se mover rapidamente para destituir o presidente Temer, em meio a pedidos por sua renúncia. Temer se recusou a dizer se recorreria de qualquer decisão da corte.

Na entrevista, Temer apostou na recuperação econômica do País para ajudá-lo a sobreviver a uma profunda crise política que engoliu o seu governo desde que ele foi acusado de aceitar propinas no maior escândalo de corrupção do país.

"É natural que, olhando para as notícias dos últimos dias, os investidores se perguntem o que deve acontecer com o Brasil", disse Temer. "Mas agora nós estamos saindo da recessão".

Mais cedo, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse que os dados dessa semana provavelmente mostrarão que o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil cresceu entre 0,7% e 0,8% no primeiro trimestre ante o trimestre anterior. Os números sinalizariam o fim de maior recessão já registrada no País.

"Sua estratégia é sobreviver um dia de cada vez", disse Christopher Garman, da consultoria de risco político Eurasia Group sobre temer. "Ele tentará vencer pequenas batalhas no Congresso para criar um ar de governabilidade".

A Eurásia estabelece uma chance de 70% de queda do presidente. No entanto, Temer permaneceu desafiador em seu encontro com jornalistas nesta segunda-feira sobre a sua habilidade permanecer no poder até o final de 2018.

Analistas dizem que provavelmente haverá progresso nas mudanças fiscais propostas pelo governo Temer, mas preveem que elas serão atenuadas, particularmente a reforma da Previdência.

"A reforma da Previdência se tornou muito mais difícil", disse Paulo Nepomuceno, economista da Coinvalores. "Agora, o apoio do Congresso ao governo está fragmentado", completa. / DOW JONES NEWSWIRES

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.