Temer diz em vídeo que a 'verdade venceu' após vitória na Câmara

Em mensagem divulgada em rede social sobre votação na Casa, presidente afirma que 'normalidade do País nunca foi afetada'

Carla Araújo, O Estado de S.Paulo

26 de outubro de 2017 | 12h05

BRASÍLIA - Em mensagem de 3 minutos e 16 segundos gravada nesta manhã de quinta-feira, 26, no Palácio do Jaburu, após desobstrução do canal da bexiga após passar mal pela manhã no Palácio do Planalto, o presidente Michel Temer disse - em vídeo divulgado nas redes sociais - que “a verdade venceu” e que agora é hora de focar no crescimento do País. Temer comenta o fato de ter derrubado a denúncia por obstrução da Justiça e organização criminosa na Câmara por 251 votos contra 233. 

+++ Custo de denúncias contra Temer alcança R$ 32,1 bi

“Faremos ainda mais, com a ajuda do Congresso e, principalmente, com a ajuda de todos os brasileiros. Quero até aproveitar para agradecer às deputadas e aos deputados que na votação de ontem reafirmaram o compromisso comigo e com o nosso governo”, disse o presidente, que agora terá o desafio de reaglutinar a base aliada em torno das reformas.

 

Reforçando o mote que quer implementar nesta “terceira fase” do seu governo, Temer diz no vídeo que “o Brasil é sempre maior do que qualquer desafio”. “E ficou ainda mais forte depois de ter suas instituições testadas de forma dramática nos últimos meses. No fim, a verdade venceu. Prevaleceram as garantias individuais e institucionais da nossa Constituição”, disse.

O presidente cita tema de documento elaborado pelo PMDB, que lançou a Ponte para o Futuro, afirmando que a ponte que o governo está construindo para o futuro “é sólida, firme, resistente”.  “Começamos a construí-la ainda em 2015, certos do nosso caminho e convictos do nosso destino. Era apenas um sonho impresso em papel. Hoje, é a realidade na vida de milhões de brasileiros. Estamos fazendo a travessia”, repetiu.

+++ Em entrevista, FHC compara governo Temer a pinguela

+++ 'Programa do PSDB é pinguela para o passado', diz marqueteiro de Temer

+++ Para Moreira Franco, aliados têm 'inveja' de programa por eles rotulado de 'pinguela'

Segundo auxiliares, Temer alterou a mensagem escrita por auxiliares durante a gravação e fez questão de destacar aspectos econômicos. “Os resultados já são visíveis. A economia voltou a crescer depois da maior recessão da nossa história. Essa é a maior obra de meu governo”, afirmou o presidente.

Como faz em todos os seus pronunciamentos e discursos, Temer destacou que  “a inflação despencou, os juros caem de forma responsável e consequente”.  “O trabalho venceu a recessão. A perseverança derrotou o medo”, disse.

Temer fala em "normalidade" após ser alvo de duas denúncias da Procuradoria-Geral da República. “A normalidade do País nunca foi afetada e agora prossegue ainda mais forte. A verdade dos dados econômicos revela a face real do meu governo. Teremos muito mais emprego nos próximos meses, com a nova lei que modernizou as relações trabalhistas. O crescimento é certo e seguro”, ressalta, em tom de otimismo.

AGENDA 

Apesar da recomendação de repouso, o presidente vai cumprir agenda normalmente nesta tarde. Às 14h, o presidente agendou uma reunião com o deputado Saraiva Felipe (PMDB/MG) e, às 15 horas, fará a assinatura de Contrato de Financiamento com o Município do Rio de Janeiro, no palácio do Planalto. Ainda não está definido se este evento das 15 horas será aberto ou não à imprensa.

REAÇÃO

O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, disse nesta quinta que o resultado da votação na Câmara “foi absolutamente normal” e “não surpreendeu.” Ele comentou que, se forem somados os 251 votos dados a favor do governo e os 25 ausentes, são 276 votos que impediram a abertura de investigações pedidas pelo Ministério Público. “Quem vota contra o governo, votou”, disse.  “Compreendemos as razões daqueles que se ausentaram”, comentou. “Cada um tem sua explicação pessoal.”

O minstro disse que os partidos que compõem a base têm 390 parlamentares. “Vamos conversar com os líderes e seguramente vamos encaminhar agora uma nova agenda para que possamos alavancar esse momento, que é riquíssimo para a economia nacional”, disse. Ele citou a geração de empregos por seis meses consecutivos, a inflação abaixo dos 3% e a taxa de juros em 7,5%. “Temos de aproveitar esse momento e alavancar medidas legislativas para fazer com que o brasileiro tenha com mais rapidez a redução do desemprego que aí está.” / COLABORARAM LU AIKO e IDIANA TOMAZELLI

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.