Temer dirá a Lula que há resistências a alianças no Senado

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva iniciou, por volta das 13 horas, sua primeira reunião institucional com a direção do PMDB, para começar a montagem de um governo de coalizão onde o partido deverá ter papel de destaque, ao lado do PT. O presidente nacional do PMDB, deputado Michel Temer (SP), advertirá Lula de que há resistências importantes no Senado à aliança com o governo.Seis senadores peemedebistas almoçaram com Temer na terça-feira para anunciar a criação de um grupo de oposição ao governo, independentemente de a coalizão ser ou não formalizada. Participam do grupo oposicionista os senadores Garibaldi Alves (RN), Mão Santa (PI), Almeida Lima (SE), Geraldo Mesquita (AC), Joaquim Roriz (DF) e Jarbas Vasconcelos (PE).Resistências à parte, o próprio Temer reconhece que a vontade majoritária do partido, já expressa pelas bancadas da Câmara e do Senado e também pelos sete governadores recém eleitos pela legenda, é formalizar a coalizão com Lula. Para deixar claro que há espaço de conversa com todas as correntes e também que é possível obter um consenso favorável à coalizão, os acompanhantes de Temer na reunião com Lula foram escolhidos a dedo. Estão presentes o ex-governador paulista Orestes Quércia e os deputados Henrique Eduardo Alves (RN), Tadeu Filipelli (DF) e Moreira Franco (RJ). Defensor da coalizão, o deputado Geddel Vieira Lima (PMDB-BA), diz que tanto a presença de Henrique Eduardo, primo e correligionário do rebelde Garibaldi, quanto a do deputado Felipelli, são o sinal evidente de que não há recusa ao diálogo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.