Temer declara ´independência´ em relação ao governo

O presidente nacional do PMDB, deputado Michel Temer (SP), fez na tarde desta terça-feira, em entrevista coletiva, uma advertência ao governo para os riscos de não estabelecer uma relação institucional com o partido. Isolado pelo Planalto, que tem preferido dialogar com os velhos aliados, Temer decidiu anunciar publicamente seu desconforto declarando sua posição de "independência" em relação ao governo. "O governo está fazendo o jogo do diálogo pessoal que já se deu e não foi útil nem ao partido nem ao País. Eu não quero participar das coisas da forma como estão colocadas", afirmou Temer declarando-se preocupado com as conseqüências para o País dessa escolha. Mesmo tendo votado no tucano Geraldo Alckmin na disputa presidencial, Temer confessa que chegou a se animar com a proposta de um governo de coalizão, a única, a seu ver, capaz de obter a unidade do partido em favor do governo. A principal queixa de Temer é o fato de que o diálogo com o governo desde a eleição continua sendo feito pelo trio integrado pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (AL), pelo senador José Sarney (AP) e pelo deputado Jader Barbalho (PA). Ele insistiu que é preciso prestar atenção na institucionalidade porque a única forma de não repetir os erros do passado e ter um PMDB dividido é "convocar institucionalmente o partido". E completou: "Eu estava esperando manifestações institucionais que até agora não vieram. Não estou reclamando do presidente. Apenas registro que as coisas estão tomando um rumo ruim, que não vai beneficiar o povo, o País e nem vai favorecer a governabilidade".Na sexta-feira, Michel tem um encontro em Florianópolis com os sete governadores eleitos pelo partido. Segundo ele, a pauta da conversa será justamente o relacionamento entre governo e a legenda.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.