Carla Araújo
Carla Araújo

Temer chega ao Pará entre afagos de políticos locais

Presidente participa de cerimônia ao lado do ministro Helder Barbalho e do deputado Wladimir Costa, o da tatuagem falsa

Carla Araújo, enviada especial, O Estado de S.Paulo

05 de outubro de 2017 | 12h27

BELÉM - Enquanto se defende da acusação por formação de quadrilha e obstrução da Justiça, o presidente Michel Temer desembarcou em Belém (PA), em meio às festividades do Círio de Nazaré, entre afagos a deputados do Estado e ao ministro da integração Nacional, Helder Barbalho (PMDB), que é do Estado, e afirmou que a cerimônia foi articulada e consolidada em apenas sete dias a pedido do ministro e de Raul Jungmann (Defesa).

+++ Temer, Doria e Bolsonaro disputam fiéis em evento religioso

Temer disse que sabe que precisa “fazer tudo rapidamente” e justamente por isso veio participar do evento. “Quero dizer o quanto os deputados tiveram de trabalho em torno deste tema. Nos últimos dias tive conhecimento do pleito dos deputados. Há sete dias Helder e Jungmann me procuraram para tratar esse pleito”, afirmou. No fim da cerimônia, Temer posou para fotos com deputados, incluindo, Wladimir Costa (SD-PA), que ficou conhecido por ter feito uma tatuagem falsa no ombro com o nome de Temer na época da primeira denúncia contra o presidente.

+++ 'Sumiu. Não existe mais', diz Wladimir Costa sobre tatuagem em homenagem a Temer

+++ Após Nude e pixuleco, Wlad no Planalto

Temer, que vem a Belém pela primeira vez como presidente, dividiu o palco também com o senador Jader Barbalho (PMDB-PA) e ao ser lembrado durante o seu discurso que havia esquecido de citar o nome do senador fez afagos dizendo que se esqueceu “pois estão sempre juntos” e pediu aplausos a Jader.

O presidente veio à capital paraense ser testemunha da assinatura de um protocolo de intenções firmado pelos ministros Dyogo Oliveira (Planejamento) e Jungmann, com o arcebispo metropolitano de Belém, dom Alberto Taveira Corrêa, para destinar à Arquidiocese de Belém uma área de 10,8 mil metros quadrados, no bairro de Nazaré. Segundo o presidente a área fará uma religação dos romeiros com a espiritualidade do Cirio de Nazaré.

Em sua fala, Temer repetiu o discurso da retomada do crescimento , disse que não foi sem razão que seu governo está conseguindo reduzir a inflação e os juros e voltou a dizer que a taxa Selic deve terminar o ano abaixo dos 7%. Ao falar da volta do emprego, Temer disse que isso indica melhora na economia e voltou a destacar desempenho da Bolsa. “Tudo isso significa confiança e credibilidade”, afirmou.

Temer disse ainda que o ato desta quinta não era meramente administrativo e também espiritual e afirmou que deixava a capital paraense com a alma “alma confortada, incendiada e abençoada”.

CIDADÃO

Em seu discurso, Helder afirmou que o Círio é o “natal dos paraenses” e que a melhoria na estrutura do local vai ajudar a promover o turismo local. “Queria agradecer aos ministros por terem compreendido a importância do pleito que eu fiz a vocês”, destacou. O ministro quebrou o protocolo da cerimônia e pediu licença para chamar deputados estaduais para entregar uma homenagem de “titulo de cidadão” da cidade ao presidente.

O ministro do Planejamento afirmou em seu discurso que se sentia um “pouco paraense”, já que a sua família é de Marabá, e afirmou que o terreno vai ajudar a festa religiosa a ser ainda mais importante. “Vivemos épocas turbulentas e nossos valores cristãos precisam ser renovados”, disse Dyogo Oliveira.

Jungmann em seu discurso fez afagos a Helder e ao presidente Temer, a quem chamou de “grande brasileiro”. “O senhor tem dado destino ao nosso País ao demonstrar que nós não estávamos fadados a crise e ao desgoverno anterior”, disse. Jungmann disse ainda que Temer é o líder e responsável pelas melhorias no país e que tem certeza que “dias melhores virão”.

OLHO EM 2018

Além da presença do presidente, os tradicionais festejos do Círio de Nazaré atraíram para Belém dois  pré-candidatos à sua sucessão em 2018: o deputado Jair Bolsonaro (RJ) e o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB). 

Às 14hs, Bolsonaro chega a Belém. Grupos de direita como o 'Endireita Pará' espalharam cartazes pela cidade e convocaram ativistas pelas redes sociais para receber o deputado no aeroporto. 

Já Doria será o único "presidenciável" que vai acompanhar no sábado as quatro procissões da Nossa Senhora de Nazaré - fluvial, de moto, carro e a pé. 

CÍRIO 

O Círio de Nazaré é o maior evento da fé cristã no mundo, reunindo cerca de 2 milhões de pessoas em Belém e atraindo uma multidão maior a cada ano. Com 224 anos, o Círio é considerado Patrimônio Cultural e Imaterial do Povo Paraense pelo Instituto do Patrimônio Histórico Artístico Nacional (Iphan).  A Unesco, ligada às Nações Unidas, reconheceu o evento como Patrimônio Cultural da Humanidade. Neste ano, a expectativa é de que o Círio injete cerca de R$ 100 milhões na economia paraense.

No terreno será construído o Centro Social e Cultural de Nazaré. Atualmente a área é ocupada pelo Comando do Exército que a devolverá o imóvel à Secretaria do Patrimônio da União (SPU) em até 30 dias.  A Arquidiocese de Belém deverá apresentar um projeto para uso da área, que será analisado pela SPU num prazo de até três meses. A igreja foi dona do terreno até 1849, ano em que a área foi doada à União.

Dependendo das atividades e serviços sociais e culturais que serão desenvolvidos no local, a SPU definirá se a referida área será doada ou cedida à Arquidiocese de Belém. No local, a Arquidiocese planeja erguer um centro de eventos com alojamentos para a acolhida dos romeiros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.