Temer diz que vitória na Câmara dá início à 'derrota' dos que querem afastá-lo

Presidente diz que denúncia contra ele por corrupção passiva é 'kafkiana'; Temer também nega que tenha usado emendas parlamentares para 'comprar' parlamentares: 'emendas foram igualmente pagas para oposição e situação'

Carla Araújo, O Estado de S.Paulo

03 Agosto 2017 | 19h27

BRASÍLIA - O presidente Michel Temer disse nesta quinta-feira, 3, que a vitória na Câmara na quarta-feira de barrar a denúncia contra ele por corrupção passiva, deu início à “derrota” daqueles que querem afastá-lo.

"É curioso que, ao longo do tempo, o que tem acontecido é exatamente a  derrota daqueles que querem ver prosperar essa eventual possibilidade do afastamento do presidente da República", afirmou, em entrevista à rádio BandNews. O presidente voltou a chamar a denúncia de "inepta" e disse que as acusações são de "natureza política".

A Câmara dos Deputados rejeitou, na quarta-feira, por 263 votos contra 227, a denúncia da PGR contra o presidente. Os governistas precisavam de apenas 172 votos para barrar o prosseguimento da acusação. Em pronunciamento depois do encerramento da sessão, Temer disse que não era “uma vitória pessoal”, mas sim “do Estado democrático”.

Na entrevista desta quinta, o peemedebista chamou a denúncia de “kafkiana” e disse que não há “provas sólidas”. “Quem ouve o áudio (da conversa entre ele e o empresário Joesley Batista) não verifica nenhum compromisso meu que permitiu esse processo que ninguém sabe bem o por quê (dele) e nem porque prosseguiu”, afirmou. 

O conceito kafkiano que o presidente se referiu é oriundo da obra do poeta e escritor checo Franz Kafka, que tratou de situações surreais e confusas entre a realidade e a ficção. “A ideia kafkiana como se o presidente fosse um grande corrupto e o outro fosse o santo da história”, disse, destacando que gravação feita “por cidadão, que havia confessado milhares de crimes, foi muito bem urdida e articulada”.

Emendas. O presidente negou as acusações da oposição de que teria usado dinheiro de emendas para comprar votos de parlamentares para barrar a denúncia. Segundo ele, além do fato de as emendas serem impositivas, a oposição também foi beneficiada com a medida.

“É interessante, dizem que nós liberamos mais emendar para governistas do que oposicionistas. Se eu mostrar as verbas de emendas entregues à oposição você ficará espantado, muitas vezes são (emendas) maiores do que aquelas entregues aos governistas”, disse. “Na verdade as emendas foram igualmente pagas oposição e situação”. 

Reformas. Temer fez uma lista de ações de seu governo, destacou a queda da inflação e dos juros e afirmou que agora, derrubada a denúncia na Câmara, se sente “fortalecido” para aprovar a reforma da previdência. “Eu sei que muitos que votaram contra (ele na denúncia) votam a favor da previdência”, afirmou. 

O presidente disse ainda que a reforma da previdência corta privilégios e que na forma como ela foi redigida a transição da idade mínima, de 65 anos para homens, acontecerá num prazo de 20 anos. “Vamos estabelecer uma reforma suave, paulatina e em 20 anos vamos implementá-la”, disse.  

Questionado sobre como iria atuar pela reforma politica, o presidente disse que esse tema é tarefa do Congresso Nacional, mas que está no horizonte do governo. “Vamos levar adiante uma reformulação político-eleitoral neste País”, disse, defendendo a adoção do voto distrital e fixação de cláusula de barreira. Provocado se poderia pensar em um parlamentarismo para 2022, Temer disse que “não seria despropositado pensar em parlamentarismo já em 2018”. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.