Temer apoia ministério para deputado de Minas

Mauro Lopes (PMDB-MG) se reúne com vice e diz que aceita assumir Secretaria de Aviação Civil; governo quer garantir liderança na Câmara para Leonardo Picciani (PMDB-RJ)

ISADORA PERON, DAIENE CARDOSO e IGOR GADELHA, O Estado de S. Paulo

13 de janeiro de 2016 | 03h00

BRASÍLIA - Cotado para assumir a Secretaria de Aviação Civil, o deputado Mauro Lopes (PMDB-MG) afirmou nesta terça-feira, 12, que o vice-presidente Michel Temer vai apoiar o seu nome para o cargo caso o convite seja oficializado pela presidente Dilma Rousseff. “Houve uma sondagem (para assumir a pasta) e eu perguntei ao Michel Temer e ele disse: ‘Terá todo o meu apoio’. Ele é o vice-presidente da República e, sendo a vontade da presidente Dilma, ele apoia totalmente”, disse Lopes após deixar o gabinete do vice.

O deputado afirmou que conversou sobre o assunto com ministro da Secretaria de Governo, Ricardo Berzoini, ainda em dezembro. A indicação de Lopes para o ministério faz parte da estratégia do Palácio Planalto para ajudar a reconduzir o aliado Leonardo Picciani (RJ) à liderança do PMDB na Câmara. Ao oferecer espaço ao parlamentar mineiro, o governo tenta neutralizar a bancada do PMDB de Minas Gerais, que quer indicar um candidato para concorrer com Picciani.

A articulação, contudo, pode acabar tendo efeito contrário ao desejado pelo governo e prejudicar a reeleição de Picciani. Isso porque a estratégia acabou dividindo a bancada peemedebista de Minas Gerais e incentivando o lançamento de mais de uma candidatura adversária, o que pode dificultar a recondução de Picciani ao posto.

Desde dezembro, o Planalto vem sondando deputados do PMDB de Minas para assumir a pasta. A estratégia do governo era garantir o apoio da maioria da bancada mineira para reeleição de Picciani. Segundo Newton Cardoso Júnior, o governo chegou a oferecer a ele o cargo. “Cada coisa em seu tempo”, afirmou o parlamentar, que pleiteia indicação da bancada mineira para concorrer com Picciani.

Conforme apurou o Estado, Newton disse que estaria disposto a “abrir mão” da sua indicação se a Secretaria da Aviação Civil tivesse sido oferecida de fato para contemplar a bancada mineira. “Abriria mão por Mauro Lopes, mas o oferta foi para Minas ou para o líder (Picciani)?”, questionou.

Outro que tenta a indicação para concorrer com Picciani, Leonardo Quintão (MG) disse manterá sua candidatura. Para ele, a “interferência do Planalto” vai azedar a relação da sigla com o governo na Câmara.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.