Estadão
Estadão

Temer almoça com amigos juristas em SP

Presidente ouviu a avaliação de que a manobra na CCJ aumentou suas chances de escapar da denúncia por corrupção no plenário da Câmara

Valmar Hupsel Filho e Carla Araújo, O Estado de S. Paulo

14 Julho 2017 | 20h47



Depois de conseguir derrubar o parecer favorável ao acolhimento da denúncia da qual é alvo, o presidente Michel Temer buscou conforto nos velhos amigos, todos com notório conhecimento jurídico. O peemedebista almoçou nesta sexta-feira, 14, em São Paulo, com antigos companheiros e ouviu deles a avaliação de que a manobra na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara aumentou suas chances de escapar da denúncia por corrupção oferecida pela Procuradoria-Geral da República. 

O advogado de Temer, Antonio Cláudio Mariz de Oliveira, estava presente no encontro que aconteceu no restaurante Parigi, no  bairro do Itaim Bibi, entre 13 e 15 horas. Também participaram os desembargadores Xavier de Aquino e Carlos Teixeira, e os advogados Manuel Alceu Affonso Ferreira, Hélio Lobo, Rui Fragoso, Antonio Carlos Mendes, Mario Sérgio Duarte Garcia, e Edgar Silveira Bueno.

Todos fazem parte de um grupo de velhos amigos  que costuma se reunir quinzenalmente há anos, em um hábito que remonta os tempos da faculdade. Temer, entretanto, não aparecia desde que assumiu a presidência. 

Auxiliares do presidente dizem que ele está “inconformado” com a condição de denunciado e faz questão de  trocar informações com interlocutores do ramo jurídico. Ex-presidente da secçional paulista da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-SP), o advogado Mário Sérgio Duarte Garcia disse que no almoço, como de costume, Temer ouviu  mais que falou. “Eu lhe disse  que com essa vitória é bem provável que ele acabe conseguindo afastar a tentativa de impeachment porque a margem teria que ser muito grande na Câmara para atingir o quórum necessário”, afirmou. 

O advogado Rui Fragoso disse que, enquanto degustavam o menu de massas e carnes oferecido pelo restaurante, regado a vinho e água, os presentes também conversaram sobre assuntos mais "leves" para o presidente "espairecer". “Falamos de amenidades, sobre a viagem dele no exterior e literatura para ele se sentir à vontade”, disse. “Ele até me recomendou o livro ‘O dia em que nevou em São Paulo’”, completou. Segundo ele, Temer comeu ravioli e bebeu apenas água. 


 

Mais conteúdo sobre:
Michel Temer

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.