'Tem gente inaugurando até maquete', diz Lula

Numa crítica claramente direcionada ao governador de São Paulo, José Serra (PSDB), mas sem citar o nome do tucano, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse hoje que a campanha política neste ano já começou. "Estamos num ano de campanha e estamos percebendo que tem gente inaugurando até maquete", disse ele, em discurso feito na cerimônia de inauguração da Usina Termelétrica Euzébio Rocha, obra integrante do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), dentro das instalações da Refinaria Presidente Bernardes, em Cubatão, na Baixada Santista.

ANNE WARTH, ENVIADA ESPECIAL, Agencia Estado

10 de março de 2010 | 13h28

Lula fez referência implícita à apresentação da maquete da ponte que ligará as cidades do litoral paulista de Santos ao Guarujá, feita ontem por Serra. A obra não teve ainda licitação aberta e deve levar anos para ser concluída. Lula deu a declaração ao defender a atuação do governo federal durante a crise financeira global.

Ele citou que 950 mil empregos com carteira assinada foram criados no Brasil em 2009, no que classificou como o "pior ano" do governo, e 181 mil postos de trabalho foram abertos em janeiro. "Eu vou repetir essas coisas", afirmou, para então fazer a provocação ao provável candidato do PSDB à Presidência da República.

"Nós queremos mostrar como as coisas acontecem nesse País", completou. Em seguida, sem mencionar o nome de Serra, Lula disse que "político mentiroso fala assim: ''Eu mato a cobra e mostro o pau''". "O fato de você mostrar o pau não significa que você tenha matado a cobra", disse ele, divertindo a plateia de trabalhadores da Petrobras que participavam da inauguração da usina.

"E nós falávamos que o discurso de um político verdadeiro é que ele mata a cobra e mostra a cobra morta", continuou. "Mas como nós somos política e ambientalmente corretos, nós não vamos matar cobra nenhuma, vamos deixar a bichinha viver o tempo inteiro e não encher o saco dela (sic), que ela não vai picar ninguém", concluiu.

Dilma

O presidente visitou as instalações da usina ao lado da chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, pré-candidata à Presidência pelo PT. Eles cumprimentaram trabalhadores e posaram para fotos. Por causa do intenso calor que fazia na cidade, Dilma dispensou o vermelho que costuma vestir em eventos do PAC e usou uma camisa branca com colar e brinco de pérola. Lula suava muito e, no início do discurso, disse que iria abreviá-lo em respeito aos presentes. Acabou falando por quase 30 minutos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.