Técnicos já estão a bordo para tentar salvar a P-34

Os sete técnicos que já embarcaram no navio-plataforma P-34 vão tentar ainda hoje instalar um tubo para permitir o bombeamento de cerca de 5 milhões de litros de água do mar para o tanque do lado direito da embarcação. A manobra é para tentar fazer com que o navio estabilize. Ele está adernado a 32º porque um problema elétrico pode ter provocado a abertura de válvulas, o que permitiu a entrada de 11 milhões de litros de óleo no tanque esquerdo da embarcação. O gerente de Segurança, Meio Ambiente e Saúde, Rui Fonseca, afirmou que, o período de 12 a 20 horas a partir do início do bombeamento de água será "o mais importante" para verificar que ainda há possibilidade de salvar a embarcação. Ele informou que os técnicos estão otimistas quanto a essa possibilidade. "A plataforma está totalmente estabilizada. Estamos com fontes auxiliares de energia, não está entrando água no navio e não houve vazamento de óleo, mas estamos preparados para atuar caso seja necessário. O navio adernou em função do desbalanceamento", afirmou Fonseca. O deputado estadual Carlos Minc (PT) sobrevoou o local do acidente e participou de reunião na base de operações da Petrobras na Bacia de Campos. Ele disse que há ondas de um metro e meio próximas ao navio. Segundo o parlamentar, diretores da estatal confirmaram a denúncia do Sindicato dos Petroleiros, de que em maio houve problema semelhante na P-34 e pessoas tiveram que ser retiradas da plataforma. "Houve a pane elétrica, mas mesmo com esse problema não era para ter havido a abertura das válvulas (o que provocou o deslocamento do óleo para um lado do navio). Isso só vamos saber com a abertura do disco rígido, que é a caixa-preta da P-34, que está sendo analisado agora pela Petrobras?, disse. Veja o especial sobre a P-34

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.