Tebet repudia acordo para amenizar penas

O presidente do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar do Senado, Ramez Tebet (PMDB-MS), repudiou hoje qualquer tipo de acordo para amenizar as penalidades a serem aplicadas aos senadores Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA) e José Roberto Arruda (sem partido-DF) pela fraude no painel eletrônico da Casa. "Acho que não tem acordo, e sou contra qualquer tipo de acordo", disse Tebet, que participou hoje, ao lado do presidente Fernando Henrique Cardoso, da inauguração da ponte sobre o Rio Paraguai.Ao ser indagado sobre se um possível convite para assumir o Ministério da Integração Nacional poderia fazer com que ele amenizasse as penas e, assim, garantir ao governo armas para a retirada de assinaturas da CPI da Corrupção, Tebet foi categórico: "Aí, então, é que eu fico presidindo o Conselho de Ética do Senado." O senador negou que, durante a viagem de uma hora e 40 minutos, entre Brasília e Cuiabá, o presidente o tenha convidado para assumir a vaga do ex-ministro Fernando Bezerra."Não fui convidado", disse. "Eu sei que tenho a simpatia de setores do meu partido, mas não sei se, neste momento, eu devo abandonar outra missão que tenho", acrescentou Tebet, numa referência à presidência da Comissão de Ética e Decoro Parlamentar do Senado. "A questão do ministério é partidária e do presidente."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.