Tebet discute providências sobre tumulto

O presidente do Senado, Ramez Tebet (PMDB-MS), afirmou que vai consultar a maioria dos membros do Senado para decidir que providências tomar sobre os incidentes de ontem à noite, quando presidia a sessão plenária do Congresso e foi vaiado e xingado por representantes da oposição. "Farei isso porque sinto que a agressão não foi a mim, mas ao Congresso, à instituição", afirmou. Tebet fez esta declaração depois de uma reunião com os líderes partidários no Senado, à qual esteve presente, também, o presidente da Câmara, deputado Aécio Neves (PSDB-MG). Tebet fez questão de dizer que a reunião com os líderes já estava marcada para discutir a pauta do Senado, mas que este foi um encontro em que ele recebeu a solidariedade das lideranças e do próprio Aécio. Ele não defendeu nenhuma punição aos parlamentares. "A própria sociedade já está julgando os parlamentares que elegeu", observou. O primeiro-secretário do Senado, Carlos Wilson (PPS-PE), e o segundo-secretário, senador Antero Paes de Barros (PSDB-MS), defenderam alguma forma de punição para os deputados que fizeram xingamentos no plenário do Congresso. Mas reconheceram que a decisão sobre este assunto cabe à Mesa do Congresso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.