TCU 'tem de ser duro', diz novo presidente

Foi marcada por um clima de saia-justa a posse do novo presidente do Tribunal de Contas da União (TCU), Benjamim Zymler. Diante do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da presidente eleita, Dilma Rousseff, convidados da festa, Zymler tocou nas feridas da relação entre o tribunal e o Planalto.

AE, Agência Estado

09 Dezembro 2010 | 09h03

Durante seu discurso, ele disse que o País não vai retroceder na fiscalização de obras do governo. "O aperfeiçoamento das auditorias passou a ser a marca registrada do TCU junto à sociedade. Não há por que retroceder nesse campo. Pelo contrário, torna-se imprescindível a contínua melhoria dessa atividade."

Zymler afirmou que há uma percepção de que o TCU é "duro" na fiscalização de obras públicas. "E tem de ser duro", disse. "Isso significa algum tipo de problema pontual, mas a perspectiva de longo prazo é a de melhoria de gestão do próprio governo."

Nos últimos anos, Lula e ministros influentes do governo acusaram o tribunal de extrapolar suas funções, interferindo nos assuntos do Executivo. As reclamações do presidente ocorreram quando o TCU divulgou relatórios apontando indícios de irregularidade grave, sobrepreço e direcionamento de licitações em obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Mais conteúdo sobre:
TCU Benjamim Zymler posse saia-justa

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.