TCU: relatório "enterra episódio da ONG", diz ministro

O ministro interino da Casa Civil, Swendenberger do Nascimento Barbosa, considera o caso da ONG Ágora "enterrado" após a divulgação, nesta quinta-feira, do relatório do Tribunal de Contas da União (TCU) sobre o programa Primeiro Emprego, do Ministério do Trabalho. "O ?balão de ensaio? que se tentou fazer, no sentido de que havia alguma coisa de imoral, ficou enterrado com a resolução e o parecer do TCU", disse Swendenberger durante a 3ª Conferência Nacional de Saúde Bucal, em Brasília. O ministro interino se refere à citação do relatório do TCU que constata que "não houve a realização de despesa estranha ao objeto do convênio" e "que o projeto aprovado pelo Ministério do Trabalho e Emprego (...) especificava de forma detalhada todos os recursos detalhados para cada item de despesa de custeio, bolsa auxílio, qualificação e investimento". O relatório foi elaborado pelo ministro Guilherme Palmeira, do TCU. Entre as propostas do Tribunal está o pedido de suspensão "do auxílio financeiro aos beneficiários" do Primeiro Emprego até que se regularize o Conselho Consultivo do programa."As decisões do TCU ajudam o governo uma vez que fazem com que algumas questões administrativas que precisariam ser corrigidas, assim o sejam", disse o ministro interino da Casa Civil, após divulgação do Ministério do Trabalho que dois decretos seriam preparados a partir das recomendações do TCU. Swendenberger ainda lembrou que o "Ministério do Trabalho já havia feito uma sindicância na mesma direção das orientações do Tribunal de Contas".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.