TCU recua e diz que aceitará corte de supersalários

Decisão do plenário da Câmara será 'acolhida e respeitada', afirma Augusto Nardes, presidente da Corte

Erich Decat , Agência Estado

22 de novembro de 2013 | 19h37

BRASÍLIA - Em carta encaminhada nesta sexta-feira, 22, à cúpula da Câmara dos Deputados, o presidente do Tribunal de Contas da União (TCU), Augusto Nardes, diz que uma decisão da Mesa Diretora da Casa sobre um possível corte dos supersalários de parte dos integrantes do tribunal será "acolhida e respeitada". "Repiso que a decisão da Mesa Diretora da Câmara dos Deputados em relação aos proventos deste Presidente será acolhida e respeitada", diz em trecho do documento.

Na última quinta-feira, em entrevista ao Broadcast Político, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, Nardes havia descartado a possibilidade dos cortes nos rendimentos dos ministros do tribunal serem feitos por um "ato" da Mesa. "Acho que o ato da Mesa no meu entendimento não é suficiente. Tem que ter uma discussão via plenário para decidir para todo mundo", afirmou. O ministro ressaltou, no entanto, que será o "primeiro" a acatar uma decisão do Congresso se ela for feita por meio de um projeto.

Em reunião da Mesa Diretora da Câmara, realizada na quinta, o terceiro secretário Maurício Quintella Lessa (PR-AL) pediu à direção da Casa um parecer a respeito do pagamento dos supersalários de três ministros do TCU. Uma resposta deve ser apresentada na semana que vem.

Estado revelou no último dia 18 de outubro que ao menos quatro integrantes do Tribunal de Contas da União acumulam rendimentos que extrapolam o teto constitucional, hoje fixado em R$ 28.059,29, e recebem até R$ 47 mil por mês. Eles se apoiam numa resolução do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), válida para integrantes do Judiciário, e somam ao contracheque do tribunal as aposentadorias obtidas como congressistas.

Se a Câmara decidir pelo fim dos supersalários no TCU, a decisão atinge justamente Augusto Nardes, além do ministro José Jorge e José Múcio Monteiro. Os três se aposentaram como deputado. No caso do ministro Valmir Campelo, ele se aposentou como senador, por isso, não seria atingido pela medida.

Na carta enviada nesta sexta aos integrantes da Mesa, Nardes considera o teto remuneratório como um mandamento constitucional, mas ressalta que o tema ainda é controverso. "Há, ainda, questões controversas. Um exemplo está contido no Acórdão nº 2.274/2009, de minha relatoria, no qual se tratou de acumulação de remunerações/subsídios/proventos oriundas de esferas e poderes distintos. O TCU considerou o teto aplicável, porém sua operacionalização depende de sistema integrado de dados previsto no art. 3º da Lei nº 10.887/2004 e normatização infraconstitucional suplementar", diz em trecho do documento.

"Conquanto não se olvide a autoridade do Conselho Nacional de Justiça para disciplinar a aplicação do teto no âmbito do Poder Judiciário, acredita-se que se faz necessária a edição de ato legislativo provido de generalidade e abstração que elimine essa deficiência de normatividade quanto à aplicação do teto remuneratório constitucional", afirma em outro momento.

 

Tudo o que sabemos sobre:
TCUsupersalários

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.