TCU e CGU investigam contratos com suspeita de ''jogo de planilhas''

A estratégia da Dialog despertou a atenção do procurador Marinus Marsico, do Tribunal de Contas da União (TCU). Ele decidiu pedir nos próximos dias a abertura de investigação sobre contrato com o Ministério das Cidades. Na opinião do procurador, a Dialog deveria ter perdido a licitação em 2007."A administração pública não poderia aceitar esses valores. Vamos pedir uma investigação com base nessa planilha, que mostra preços inexequíveis", diz. Marsico diz ainda que a diferença de preços entre a proposta de 2007, nas Cidades, e agora em 2009 reforça a suspeita sobre a empresa. "É mais uma prova de que aqueles preços eram simbólicos", afirma.Procurada pela reportagem, a CGU admitiu que a Dialog está na mira do órgão: "Os contratos da empresa estão sendo analisados." Em tese, o órgão repudia a disparidade de preços numa mesma proposta, apelidada de "jogo de planilhas". "É a denominação utilizada para a prática ilegal de se efetivar contratação de proposta de menor preço global, mas com grandes disparidades nos preços unitários em relação ao mercado", explica a CGU.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.