TCU decide anular contrato dos Correios

Suspeita é de fraude em concorrência internacional

Rosa Costa, BRASÍLIA, O Estadao de S.Paulo

17 de outubro de 2008 | 00h00

Três anos depois de ter sido apontada pela CPI dos Correios como um dos grandes escândalos de corrupção, o Tribunal de Contas da União (TCU) mandou anular a concorrência internacional e o contrato entre a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) e o consórcio BR Postal, no valor inicial de R$ 4,3 bilhões. O parecer do ministro-relator, Raimundo Carreiro, e os termos do acórdão foram encaminhados a parlamentares que participaram da CPI.A documentação indica que a concorrência teria ocorrido de forma fraudulenta para favorecer a empresa vencedora.Para o senador Delcídio Amaral (PT-MS), que presidiu a CPI, a decisão do tribunal confirma a conclusão da comissão de que a operação "estava dirigida e tinha nome e sobrenome". A CPI já tinha conseguido paralisar temporariamente o contrato da ECT para instituir no País o chamado Correio Híbrido, um tipo de serviço para atender grandes clientes de correspondência, como bancos. Procurada pelo Estado, a direção da ECT não deu retornou sobre sua posição no caso. O parecer detalha procedimentos que confirmam as suspeitas sobre a escolha da multinacional italiana BR Postal. A concorrência foi realizada em 2002. O ministro trata com suspeita, por exemplo, o fato de o valor inicial do contrato, de 2004, de R$ 4,3 bilhões, ter sido reduzido para R$ 2,6 bilhões após o TCU proceder à primeira verificação sobre erro nas planilhas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.