Marcos Oliveira/Agência Senado - 9/8/2019
Marcos Oliveira/Agência Senado - 9/8/2019

TCU cancela sessões após canal no YouTube sair do ar

Ministro Bruno Dantas diz que episódio é ‘grave, súbito e sem explicação’

Vinícius Valfré, O Estado de S.Paulo

01 de fevereiro de 2022 | 18h32

BRASÍLIA  – O canal do YouTube do Tribunal de Contas da União (TCU) foi retirado do ar nesta terça-feira, 1. A informação foi divulgada no Twitter pelo vice-presidente da Corte, ministro Bruno Dantas.

De acordo com o ministro, o episódio é “grave, súbito e ainda sem explicação”. Por causa do episódio, o TCU cancelou as sessões da 1ª e 2ª Câmaras, prevista para esta tarde. “Providências estão sendo estudadas”, afirmou Dantas.

A programação da semana não está alterada e a sessão plenária, marcada para as 14h30 desta quarta, deve ocorrer e ser transmitida pela internet normalmente.

Diante do problema detectado, o tribunal ativou um canal alternativo para transmitir as sessões. É por ele que a sessão do plenário deve ser exibida.

Nesta terça, o canal oficial do TCU estava no ar, disponibilizando acesso a vídeos e sessões anteriores.

Ao Estadão, o TCU afirmou que está providenciando, junto ao YouTube, a correção dos problemas técnicos e reforçou a importância das transmissões. "O Tribunal atua com transparência. Seus julgamentos devem ser públicos e, na modalidade virtual, devem ser passíveis de acompanhamento em tempo real", disse o Tribunal através de nota.

Já o YouTube justificou o impedimento das transmissões ao vivo na conta do Tribunal. "O canal do TCU recebeu um alerta em 7 de maio de 2021 e um aviso (ou strike) em 27 de janeiro por exibir conteúdo de terceiros em transmissões ao vivo nas duas ocasiões. Com um aviso vigente, o canal fica impedido de utilizar alguns recursos do YouTube, entre eles fazer transmissões ao vivo", informou o YouTube. A rede social disse estar em contato com a equipe do Tribunal para dar todo o suporte necessário.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.