TCU aprova contas do governo em 2007 com 22 ressalvas

Dentre as ressalvas, está a ausência de classificação e contabilização dos recursos arrecadados em tributos

Agência Brasil

24 de junho de 2008 | 13h04

O Tribunal de Contas da União  (TCU) aprovou nesta terça-feira, 24, por unanimidade, as contas do governo federal no ano de 2007, porém  o relatório do ministro Benjamin Zymler contabilizou  22 ressalvas e 15 recomendações. Foram objeto de análise aspectos como a economia brasileira, a programação orçamentária e a execução das receitas e despesas da União.  De acordo com o relatório do ministro Benjamin Zymler, o volume total de "Restos a Pagar" cresceu de R$ 43,9 bilhões, em 2006, para R$ 62,2 bilhões, em 2007, o que Zymler qualificou de "um orçamento paralelo". O estudo feito pelo TCU mostra também que o ritmo de execução do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), em seu primeiro de execução (2007), foi de 29,6% no total. Esse ritmo foi considerado pelo TCU muito baixo, mas "natural" para um primeiro ano. "O PAC está em período de aquecimento, está-se iniciando, e a gente espera que em 2008 isso avance", afirmou Zymler.  Texto atualizado às 15h50 (Com Sérgio Gobetti, de O Estado de S.Paulo)

Tudo o que sabemos sobre:
TCUgovernocontas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.