TCE antecipa auditoria na Fundação Zerbini

O Tribunal de Contas do Estado (TCE) decidiu antecipar a auditoria das finanças da Fundação Zerbini, que administra o Instituto do Coração (Incor), do Hospital das Clínicas de São Paulo. A análise, que só deveria ser realizada no início do ano que vem, foi adiantada por causa da atual crise financeira da entidade. De acordo com o Estado, em outubro, auditores do TCE passaram duas semanas na Zerbini analisando a forma como o dinheiro foi aplicado ao longo dos últimos anos. A auditoria - que deve ser realizada anualmente -, no entanto, não está concluída, pois alguns documentos referentes ao período entre 1998 e 2006 deixaram de ser entregues. De acordo com despacho publicado no Diário Oficial, a entidade tem 15 dias para entregar os papéis e já se manifestou, dizendo que os entregará nesta quarta.Caso as contas da fundação não sejam aprovadas, o TCE pode aplicar sanções administrativas e levar o relatório ao Ministério Público, que pode entrar com uma ação na Justiça contra a entidade. Atualmente, a Zerbini está sendo investigada pela Polícia Federal.É esperada para esta terça-feira a decisão do Ministério da Saúde sobre um convênio de R$ 17,5 milhões para ajudar a fundação a superar a crise financeira. Os recursos, de emendas parlamentares, só seriam liberados após a análise de documentos do Incor e da Zerbini. Se liberada, a verba será menor que a reivindicada pelo Incor, de R$ 20 milhões. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva, paciente do Incor, se comprometeu a ajudar na solução da crise. O Incor, maior centro público de tratamento cardíaco da América Latina, vive a pior crise financeira de sua história. O motivo são as dívidas da Zerbini, na casa dos R$ 250 milhões. As contas da entidade passam pelo TCE porque o instituto é ligado ao governo paulista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.