Tata Amaral retoma documentário sobre Dirceu

Diretora iniciou em setembro as filmagens do filme que, segundo a diretora, vai investigar como o ex-ministro da Casa Civil se transformou no 'vilão da República'; mas havia interrompido as gravações

Flávia Guerra, O Estado de S. Paulo

15 de novembro de 2013 | 23h17

BRASÍLIA - "Tudo que posso dizer é que lamento muito tudo isso", afirmou a diretora Tata Amaral ao ser indagada pelo Estado sobre a ordem de prisão do deputado José Genoino, do ex-ministro José Dirceu, e mais outros dez condenados no processo do mensalão. Tata, que atualmente realiza um documentário sobre Dirceu, preferiu não dar mais explicações.

"Lamento. É isso. Prefiro preservar o documentário", disse a cineasta, que após pequena pausa retomou, nesta sexta-feira, 15, as filmagens do filme que realiza sobre ex-chefe da Casa Civil. "Naquele momento, em setembro, era importante gravar e registrar tudo. Depois parei um pouco porque tive de tocar outros projetos, como o lançamento de De Menor (filme de Caru Alves de Souza, do qual Tata é produtora).

Em setembro, a diretora iniciou as filmagens do documentário que, segundo ela, "vai investigar como José Dirceu se transformou no vilão da República"

Em setembro, tata afirmou que o documentário, que vai se chamar O Vilão da República, iria "abordar desde o período em que ele foi ministro-chefe da Casa Civil até o final do julgamento." Tata, ao saber da notícia da ordem de prisão, decidiu ir à Superintendência da Polícia Federal (PF) em São Paulo. "Parei tudo que estava fazendo, preparei a câmera, chamei um amigo para acompanhar e estou indo para lá", comentou ela por telefone.

Tata explica que o projeto até o momento está sendo realizado com verba própria, embora a Tangerina Filmes, produtora da cineasta, possa captar, por meio da Lei Rouanet, R$ 1,5 milhão para a realização do filme. "Vou retomar tudo no ano que vem, organizar, pensar bem no modo de registrar esta história. É preciso. Pois até agora estamos realizando com equipamento emprestado, equipe benemérita, verba própria", explicou a diretora.

Ela disse que, com o filme, pretende fazer uma reflexão. "Hoje, por exemplo, estamos no clima de urgência. Eles estão indo se entregar. É um momento que merece e precisa ser filmado. Mas retorno em 2014 a esta reflexão sobre o Brasil", disse ela, que pretende fazer de O Vilão da República um documentário do gênero "filme de observação". "A ideia é acompanhar a intimidade deste personagem controverso num momento importante de sua vida. Acho que o filme pode ficar interessante e, do ponto de vista criativo, é um enorme desafio."

Para a realização do projeto, Tata também pretende viajar para os EUA, Cuba, Venezuela, e ouvir diversas personalidades.

Tudo o que sabemos sobre:
mensalãoDirceuTata Amaral

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.