Tasso vai ao encontro com ou sem Machado

O governador Tasso Jereissati (PSDB-CE) participa do encontro nacional do PSDB, que começa neste sábado em Belém (PA), independente da presença do seu desafeto político, também tucano cearense e líder do partido no Senado, Sérgio Machado. Tasso nega ter condicionado sua participação no encontro ao não comparecimento de Machado. "Não vetei. Não convidei. Não participei e... não tenho nada contra que ele vá ou deixe de ir. Não tenho absolutamente nada com isso", disse Tasso, após entregar 122 casas populares no Dias Macedo, bairro periférico de Fortaleza. "Não tem a menor importância para mim onde ele (Machado) está ou deixe de estar. Eu vou, claro. Você acha que eu vou pautar a minha vida nisso?", insistiu Tasso.Ao ser questionado o que seria mais difícil, sua reaproximação com o tucano cearense ou a do presidente Fernando Henrique Cardoso com o senador Antônio Carlos Magalhães, Tasso se esquivou: "Eu não estou desunido com ninguém. Eu não estou absolutamente desunido com ninguém". Conforme Tasso, o PSDB vai escolher o candidato à sucessão "no momento certo". E prosseguiu: "Será escolhido pela maioria. Quem tiver mais voto ganha. Como sempre foi. Ninguém pode ser é candidato à força".Segundo ele, o assunto sucessão não deverá ser tratado no encontro de Belém. E disse não esperar nada de extraordinário desse encontro.Ele também comentou sobre o resultado da pesquisa sobre a sucessão presidencial divulgada esta semana pelo Ibope. O resultado é, na opinião dele, um retrato. Mostra o que está acontecendo atualmente na visão da sociedade.O governador quase foge do discurso ensaiado ao responder sobre o que achou do percentual obtido por ele. "Por mim, eu não tenho desempenho...". Logo em seguida, o retoma: "Eu não estou preocupado com isso porque não estou em campanha". Mas, por fim, admitiu o orgulho: "Eu acho que... realmente, eu fico até orgulhoso porque, de qualquer maneira, ter 5% sem eu ter feito campanha para presidente e sendo governador aqui, no Ceará num estado bastante longe dos centros dos acontecimentos. Para mim, é motivo de muito orgulho".No discurso para a população, Tasso mandou indiretas para seus inimigos. Pegou o "gancho" da líder comunitária Iolanda Bezerra, que comentou serem as moradias um direito da população e dever dos governantes, para atacar sem citar nomes: "O que acontece é que, na maioria das vezes, o dinheiro público não é suficiente para atender todo mundo. Essas brigas que nos envolvemos, na televisão, nos jornais, com algumas pessoas que querem sugar o dinheiro do Estado, são para proteger aqueles que precisam mais desse dinheiro, que é a população".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.