Marcelo Camargo/Agência Estado
Marcelo Camargo/Agência Estado

Tasso promete abrir mão de disputa no Senado se MDB indicar alternativa a Renan Calheiros

Senadora Simone Tebet, do MS, foi apontada por tucano a interlocutores como possível substituta em candidatura

Renan Truffi, O Estado de S.Paulo

12 de dezembro de 2018 | 19h18

BRASÍLIA - Citado como possível candidato à Presidência do Senado, o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) tem dito a interlocutores que abre mão da disputa se o MDB indicar a senadora Simone Tebet (MDB-MS) para o cargo, em vez do senador Renan Calheiros (MDB-AL). Jereissati nega que tenha se colocado seu nome como "reação" à candidatura de Calheiros, mas defende que o momento é ideal para alguém que represente um projeto "diferente".

"Eu não sou nem deixo de ser (candidato à Presidência do Senado). Existe uma conversa com uma série de partidos que vieram falar comigo sobre a possibilidade de eu ser candidato à Presidência do Senado e eu disse que, dentro daquela circunstância, eu toparia", disse. "(Minha candidatura) não é reação ao Renan, é um propósito de fazer uma coisa diferente aqui (no Senado), afinal de contas ele (Renan) já foi (presidente) várias vezes. A Presidência do Senado não é cadeira cativa de ninguém, nem de um grupo só que vem dominando o Senado há anos", explicou.

Em seguida, Tasso foi questionado se abriria mão da disputa caso o MDB optasse por indicar a senadora Simone Tebet, nome ventilado nos corredores, em vez de Calheiros. "Aí sim,  Simone é um nome palatável, acho que tem sentido (abrir mão da disputa)", complementou.

Tasso tem protagonizado um duelo com Calheiros nos bastidores, desde que o emedebista começou a se movimentar para conseguir os votos necessários. Na semana passada, Calheiros usou o Twitter para criticar o tucano. “Se for contra o Tasso, deverei ganhar no PSDB, no PDT, no Podemos, no DEM. Aliás, essa hipótese dificilmente se viabilizará. Primeiro, porque as urnas deram ao MDB o direito de indicar o candidato. Segundo, porque Tasso continua patrimonialista (tudo que os brasileiros mostraram não querer mais)”, escreveu o parlamentar. 

O MDB deverá decidir, somente no final de janeiro, qual nome de sua bancada irá ser indicado ao cargo. Isso porque a tradição do Senado é que a maior bancada fique com a Presidência da Casa e, em 2019, o MDB continuará sendo a maior legenda, com 12 senadores. Mas a possibilidade do partido indicar Calheiros para o posto gerou movimentos contrários ao nome do emedebista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.