Tasso nega ter feito críticas a FHC ou ao PSDB

O governador do Ceará, Tasso Jereissati (PSDB), negou que tenha feito uma série de declarações criticando o partido e o presidente Fernando Henrique Cardoso. Tasso também negou que tenha ameaçado apoiar a candidatura da governadora Roseana Sarney (PFL-MA). Ele admitiu, no entanto, que existe um "jogo de intriga muito grande". "Não sei o que está acontecendo, mas tem um jogo de intriga muito grande, não sei quem alimenta, não faço idéia", afirmou Tasso.O governador Tasso disse estar "impressionado" com a quantidade de declarações atribuídas a ele. "Tem algo estranho no ar. Palavras são colocadas na minha boca sem que eu as tenha dito. Nunca disse nenhuma dessas frases", afirmou. Entre as frases citadas por Tasso, estão: "Isto é jogo de carta marcada", referindo-se à atuação do presidente Fernando Henrique Cardoso na sucessão presidencial, em favor do ministro José Serra.Tasso também nega que teria dito que "falta caráter e firmeza ao PSDB e ao Palácio do Planalto". Tasso afirmou que o "interlocutor" citado como fonte nas matérias nunca existiu. "Nunca usei nenhuma dessas expressões, nem parecidas. Eu não ia dizer isso do meu partido e continuar nele".Tasso elogiou o presidente Fernando Henrique Cardoso e a forma como ele está se portando no processo sucessório. "Fernando Henrique tem agido com toda elegância, correção e não está interagindo contra ou a favor. Eu continuo com a mesma relação de amizade e confiança", disse Tasso.O governador do Ceará também fez questão de desmentir todas as declarações contra a Executiva tucana atribuídas a ele. "Quero deixar claro que não disse nem diria algo contra a Executiva, que se comportou exemplarmente", disse Tasso. Ele lembra ainda que a Executiva deu firme apoio à posição dele, de apresentar os pré-candidatos tucanos no programa de tevê do partido. "Como eu iria reclamar?", indagou. Ele defende a tese de que o PSDB deve aproveitar esse espaço na tevê para apresentar os pré-candidatos ao eleitorado, todos os pré-candidatos com a mesma oportunidade de aparecer para "os 100 milhões de brasileiros".Tasso voltou a afirmar que o "jogo de intrigas" prejudica a todos. "É claro que esse jogo não é ético, e parece que não temos mais nada a fazer a não ser fazer intrigas. Eu não jogo esse jogo, claro que não", afirmou.Da série de declarações atribuídas a ele, o governador cearense admite ter feito apenas algumas, falando sobre a posição do ministro Serra no processo sucessório. "Só disse, num tom que reconheço que teve uma certa ironia, que todo mundo sabia que Serra não era candidato, não iria gastar energia com a campanha, nem estava preocupado em aparecer, e que detesta aparecer em tevê", explicou Tasso.O governador disse ainda que não se sente prejudicado por causa de Serra ter mais oportunidades, justamente por ser ministro, de aparecer na mídia. "Não me preocupo com o tempo dele, acho que o tempo dele é legítimo e não me considero injustiçado", afirmou. O governador participa de um almoço, na sede da Nestlé, organizado pelo presidente da Sococo, Emerson Tenório. A Sococo é uma das principais fornecedoras da Nestlé. Mensalmente, a Nestlé abre a empresa para que os fornecedores realizem almoço com convidado, do qual participam diretores da área. Participam do almoço cerca de 30 pessoas.Após o almoço o governador Tasso Jereissati grava com a jornalista Marília Gabriela, para o programa da rede TV. À noite, participa de gravação com Boris Casoy para o programa "Passando a Limpo", que será exibido no próximo domingo na Rede Record. Hoje pela manhã Tasso gravou para o programa do Horário Eleitoral Gratuito, do PSDB. Ele retorna a Fortaleza amanhã pela manhã.

Agencia Estado,

09 de novembro de 2001 | 14h36

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.