Epitácio Pessoa/Estadão - 28.01.2014
Epitácio Pessoa/Estadão - 28.01.2014

Tasso nega 'guerra' no PSDB, mas diz que autocrítica vai continuar

Presidente inteirno da sigla minimizou o encontro entre Aécio Neves e o presidente Michel Temer, em que ele teria pedido a saída do senador cearense do comando do partido

Renan Truffi, O Estado de S.Paulo

24 Agosto 2017 | 14h35

BRASÍLIA - O presidente interino do PSDB, senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), negou nesta quinta-feira, 24, que o partido estivesse em "guerra" nos últimos dias, diante da repercussão negativa em torno da propaganda partidária da legenda. Tasso afirmou que o partido tem divergências e continuará tendo, mas garantiu que o processo de autocrítica vai continuar.

"(O PSDB) não estava dividido. O partido tem divergência, vai continuar tendo divergências e graças a Deus tem divergência porque não somos partido de pensamento único. Partidos de pensamento único são comunistas", afirmou. "(A autocrítica) continua. Esse processo é de autocrítica, de criar novo programa, estatuto...é absolutamente necessária a a autocrítica não só para o nosso partido, eu diria que até mais para os outros partidos", argumentou.

+ 'Tasso é o que tem melhores condições de conduzir partido até dezembro', diz Aécio

+ Doria dá 'apoio total' a Marconi Perillo para presidir PSDB

Tasso comandou reunião hoje na sede do diretório do partido, em Brasília, com a presença de presidentes dos diretórios estaduais. Ele convidou o senador Aécio Neves, presidente licenciado da sigla, para o encontro, o que serviu como sinalização do acordo de paz. Mas, em ato falho, chamou Aécio de "ex-presidente do PSDB", antes de corrigir.

"Não precisava selar paz onde não tinha guerra. Era importante a presença do Aécio como ex-presidente do partido...presidente afastado, no momento que a gente fazia a primeira reunião dos diretórios regionais. Segundo porque ele está bastante envolvido na reforma política para fazer uma explanação para os dirigentes sobre como está se encaminhando a reforma", argumentou.

Tasso também tentou minimizar a reunião entre Aécio Neves e o presidente Michel Temer, que aconteceu no fim de semana. Na ocasião, Temer teria pedido ao senador mineiro a saída de Tasso Jereissati do cargo no PSDB, por conta das críticas da propaganda tucana ao chamado "presidencialismo de cooptação".

"Eu só ouvi falar disso (encontro entre Aécio Neves e Temer). Isso não tem importância nenhuma. Ele (Temer) querendo ou não...e não acredito que o senador Aécio participasse dessa reunião", explicou. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.