Tasso lamenta não poder ajudar ACM

O governador Tasso Jereissati (PSDB-CE) disse não fazer idéia do que o senador Antonio Carlos Magalhães irá falar em seu discurso da próxima semana. E lamentou não poder socorrê-lo: "Infelizmente, não posso ajudá-lo dessa vez." Sobre o apoio dado por ele ao senador baiano na véspera de ser votado o relatório que pediu a cassação dele, Tasso disse que achou que era seu dever dar uma opinião. "Mesmo sabendo que esta opinião era contra a maré", comentou. O governador tucano disse ainda que muita coisa deverá mudar até as eleições de 2002, daí não ser prudente fazer um diagnóstico diante do quadro político atual. "Olha quanta coisa mudou de dezembro para cá", ressaltou. Ao ser indagado sobre se voltou a ser candidato após a convenção nacional do PSDB, ele brincou: "Como é que eu posso pensar em ser presidente com o Wellington (Landim, presidente da Assembléia Legislativa do Ceará) brigando aqui comigo?" Wellington Landim é do mesmo partido do governador, mas tem sido publicado pela imprensa local que ele tem ameaçado passar para o lado da oposição.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.