Tasso ironiza decisões de Itamar sobre apagão

Ao lançar a campanha de vacinação contra a paralisia infantil no Ceará, o governador Tasso Jereissati (PSDB-CE) ironizou a decisão do colega mineiro, Itamar Franco (PMDB-MG), de boicotar o racionamento de energia em Minas Gerais. Tasso deu a entender que não era maluco, e por isso não faria o mesmo em seu estado. "Eu fiz testes psiquiátricos e passei em todos", brincou. Itamar determinou à Companhia Energética do Estado (Cemig) que não cobre sobretaxas e nem corte o fornecimento de consumidores que deixem de atingir a meta de 20% de economia, fixada pelo governo federal no programa de racionamento. Ele alegou que o parecer da Procuradoria-Geral de Minas considerou as medidas "inconstitucionais, ilegais, injustas e imorais". Ao ser perguntado sobre quais as razões teriam levado o governador mineiro a tomar essa atitude, Tasso continuou ironizando: "Fiz Administração. E, na faculdade de Administração, só tinha dois anos de psicologia. Então, não dá para dar um diagnóstico assim mais profundo, não". Na opinião de Tasso, Itamar Franco está aproveitando a crise energética para "virar manchete". Adotando um ar mais sério, o governador cearense lembrou as implicações do que significa governar um Estado, em um País que é uma federação. "Ele (Itamar) já foi presidente da República e mais do que ninguém deve conhecer bem essas implicações. Pelo menos, se presume que conhece", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.