Epitácio Pessoa/Estadão - 28.01.2014
Epitácio Pessoa/Estadão - 28.01.2014

'Tasso é o que tem melhores condições de conduzir partido até dezembro', diz Aécio

Presidente licenciado da sigla também disse que apoio ao governo Temer não está mais em discussão

Renan Truffi, O Estado de S.Paulo

24 Agosto 2017 | 13h49

BRASÍLIA - O senador Aécio Neves (MG), presidente licenciado do PSDB, decretou o fim das "divergências" internas do partido, nesta quinta-feira, 24, após reunião com o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), presidente interino da sigla, e os presidentes dos diretórios estaduais da legenda, na sede do PSDB, em Brasília. Tasso foi alvo de protestos, no início da semana, por parte de tucanos que pediam sua substituição no cargo.

"Paz no ninho, tudo calmo", afirmou. "Eu insisti dias atrás que permanecesse e novamente eu estou dizendo a ele que é o que tem melhores condições de conduzir o partido até dezembro. Vamos ajudar, participar, seguir cronograma das convenções e defendo que em dezembro a gente escolha o candidato a presidente da República. Vamos fazer nova convenção. Aqueles pontos onde divergíamos estão absolutamente superados", disse.

O senador mineiro disse que o apoio ao governo Michel Temer também não está mais em discussão e classificou de "oportunistas" aqueles que tentam dividir o partido em alas pró e contra Temer. "Não podemos ter essa pecha, marca, que alguns, inadvertidamente ou de forma oportunista, tentaram trazer para dentro do PSDB como se houvesse ala, como se houvesse governistas e não governistas. É uma balela, é fala de quem não tem responsabilidade para com o partido. Que tem pouca história ou vivência dentro do partido. Somos todos brasileiros preocupados com o futuro do País", rechaçou.

+ 'Tasso vai até dezembro cumprir papel importantíssimo', diz Alckmin

+ Doria dá 'apoio total' a Marconi Perillo para presidir PSDB

Aécio admitiu que as propaganda partidária do PSDB, na qual a legenda faz uma autocrítica, gerou "incompreensões", mas defendeu que, agora, os tucanos devem falar daquilo que os une. "Tive uma longa conversa ontem com o senador Tasso Jereissati entre companheiros, entre amigos de uma longa data. Temos uma relação pessoal extraordinária o que nos permite divergir em alguns casos", argumentou. "Divergências foram superadas e continuaremos nossa trilha de construir um projeto para o País e isso pressupõe o PSDB unido. Essa unidade se dará em torno da interinidade do senador Tasso até o mês de dezembro". 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.