Marcelo Camargo/Estadão
Marcelo Camargo/Estadão

Tasso diz que não entrega cargo de presidente interino do PSDB

Senador disse que insatisfeitos com sua gestão devem reclamar com Aécio Neves (PSDB-MG), presidente efetivo licenciado; estopim da crise na sigla foi o programa partidário, que fazia 'mea culpa'

Renan Truffi e Thiago Faria, O Estado de S.Paulo

22 Agosto 2017 | 14h54

BRASÍLIAO presidente interino do PSDB, senador Tasso Jereissati (CE), defendeu nesta quarta-feira, 22, que os deputados tucanos insatisfeitos com sua gestão à frente da sigla procurem o senador Aécio Neves (PSBD-MG), presidente licenciado da legenda, para pedir sua saída do cargo. Jereissati voltou a dizer que não vai entregar o posto e negou que esteja fazendo prevalecer suas convicções na direção partidária.

"Eles que vão ao Aécio e digam: Aécio, tira o homem que ele não nos representa. E provem que são majoritários. É tão fácil. Se não tivesse um presidente efetivo, tivesse que ir para a Executiva, aí seria mais complicado. No nosso caso é 'simplérrimo'", argumentou. "Eu estou consciente que sou interino. Então pra deixar a presidência e a interinidade, não precisa de nenhum tipo de articulação, pressão, nada disso. É um ato puro e simples do presidente efetivo, que ele faz e pronto. Não depende de mim e de mais ninguém. Só do presidente efetivo".

Pouco mais de uma dezena de deputados federais do PSDB se reuniram na noite desta segunda-feira, 21, em um jantar de mais de quatro horas, para deliberar sobre o "comportamento" de Tasso. "Aconselhados" pelo governador de Goiás, Marconi Perillo, e acompanhados dos ministros Bruno Araújo (Cidades) e Antonio Imbassahy (Secretaria de Governo), os parlamentares pró-governo decidiram que vão pedir a "correção" ou "substituição" do senador do comando da legenda.

+ Após programa partidário, lideranças do PMDB e Centrão cobram que PSDB entregue ministérios

Nas palavras do deputado Rogério Marinho (PSDB-RN), Tasso tem tornado público uma posição distinta da majoritária. "Desde aquela reunião ampliada da Executiva, já começou esse comportamento. O partido decide uma coisa e, em público, o porta-voz se posiciona de maneira diferente", acusou ontem. O senador respondeu essas acusações. "Não sei do que ele [Marinho] está falando. A gente sempre está fazendo [reuniões] com as maiores lideranças do partido, com toda certeza, coordenadas com a maioria do partido".

+ ANÁLISE: Na TV, PSDB propõe 'desfiliação em massa'

Jereissati ironizou também os pedidos para que ele entregue o posto. O senador cearense afirmou que não recebeu nem um cartão postal dos parlamentares que criticam seu mandato interino. "Nunca me falaram nada. Espero que venham falar comigo alguma coisa. Se estão falando por trás, venham falar pela frente. Nunca [me procuraram], nem por nota, nem bilhete, nem cartão postal, nem em telefonema, nem whatsapp", disse.

O presidente interino do PSDB ainda minimizou qualquer possibilidade de se desfiliar o partido diante do racha."Eu não saio. Aécio assumindo, não assumindo, eu não saio do partido. Eu fico no partido. Minha vida foi dedicada a esse partido, fui presidente do PSDB nos primórdios do partido e fui talvez o primeiro governador a eleger um governador do partido. Eu não saio desse partido. Se tiver alguma diferença a ser discutida, a gente discute democraticamente", argumentou.

O estopim para a nova crise interna no partido é o programa partidário tucano, veiculado em cadeia de rádio e TV na última semana, que faz uma autocrítica sobre posicionamento do PSDB em relação ao que chama de "presidencialismo de cooptação". A publicidade irritou o Palácio do Planalto. Tasso assumiu a responsabilidade pela peça publicitária, mas disse que consultou lideranças como o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

Sobre a presença de Perillo no jantar com deputados tucanos críticos a ele, Tasso disse que conversou com o governador de Goiás e ouviu outra posição do líder tucano. "Ele me telefonou hoje dizendo que não tem nada a ver com isso, não concorda com isso de maneira nenhuma. Não concorda com qualquer movimento e me apoia". 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.