Tasso deve anunciar desistência na quarta-feira

O governador do Ceará, Tasso Jereissati, deve comunicar formalmente ao presidente Fernando Henrique Cardoso, na próxima quarta-feira, na presença das principais lideranças do PSDB, que desistiu da candidatura à presidência da República, para que seu concorrente mais próximo no partido, o ministro da Saúde, José Serra, possa viabilizar-se e melhorar o desempenho nas pesquisas de opinião pública.Com mais exposição do que Tasso nos meios de comunicação, o ministro tem obtido índices de intenção de voto entre 5% e 8%, enquanto o favorito da oposição, Luiz Inácio Lula da Silva, tem ao redor de 30%, e a segunda colocada, Roseana Sarney, do PFL, chega aos 20%. O desempenho de Tasso é mais modesto do que o de Serra. Ele oscila entre 3% e 4%.Segundo fonte do PSDB, o governador tomou a decisão ao perceber que lutava internamente com um adversário mais forte do que ele em termos de estrutura política, de comunicação pessoal e de penetração na mídia.Se o ministro Serra se viabilizar como candidato, "muito bem", disse a fonte, "Tasso o apoiará". Mas se ele continuar a apresentar uma performance baixa nas pesquisas, em penúltimo lugar, na frente somente de Enéas, do Prona, o governador considera que o PSDB terá que procurar outro candidato e, neste caso, ele vai pensar em reapresentar seu nome. "Trata-se", disse a fonte, "de uma estratégia e não de uma desistência definitiva".A decisão de Tasso foi tomada na semana passada, discutida com o presidente do partido, deputado José Aníbal (SP), e amadurecida neste final de semana, durante o qual ele comemorou seu aniversário publicamente em Fortaleza. Nenhum quadro graduado do PSDB ou do governo compareceu.Fernando Henrique e o presidente da Câmara, Aécio Neves, lembraram de Tasso e lhe telefonaram durante a festa, que teve a participação de dois artistas famosos do Ceará, Fagner e Belchior.Conforme observou fonte do governo, se Tasso fosse uma alternativa de interesse das principais correntes tucanas, o aeroporto de Fortaleza teria sido insuficiente para o número de políticos que voariam para lá a fim de dar-lhe um abraço.Tasso é o segundo presidenciável do PSDB a retirar seu nome da corrida, mesmo tendo a indicação de que o partido pretende reunir-se em pré-convenção depois do carnaval para deliberar sobre a escolha.O primeiro foi o ministro da Educação, Paulo Renato Souza, que não fez declarações formais, mas retirou-se da disputa ao perceber que não tinha meios de enfrentar José Serra. A assessores e amigos, o ministro disse que, se o jogo já estava decidido, não haveria motivo para insistir numa disputa desigual.O argumento de Paulo Renato é semelhante ao de Tasso. Este diz que não vai continuar "malhando em ferro frio" e fazer uma campanha partidária interna destinada ao fracasso.A viagem que Tasso iniciou, nesta segunda-feira, ao Rio Grande do Sul e Santa Catarina deve ser a última de sua pré-campanha e servirá para confirmar que, pelo menos por enquanto, está fora do jogo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.