Jefferson Rudy|Agência Senado
Jefferson Rudy|Agência Senado

Tasso defende renúncia de Aécio da presidência do PSDB

Presidente interino do partido defende que senador, que recuperou mandato, renuncie ao comando tucano

Thiago Faria e Renan Truffi, O Estado de S.Paulo

18 de outubro de 2017 | 12h05

BRASÍLIA - Presidente interino do PSDB, o senador Tasso Jereissati defendeu nesta quarta-feira, 18, a renúncia do senador Aécio Neves (PSDB-MG) da presidência do partido. A declaração ocorre um dia após o Senado barrar, por 44 votos a 26, a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que impôs o afastamento do mandato e o recolhimento noturno ao senador mineiro.

+ Veja quem devolveu o mandato a Aécio

+ Relembre o que pesa contra Aécio Neves

"Eu acho que é (caso de renúncia). Porque agora ele não tem condições, dentro das circunstâncias que está, de ficar como presidente do partido. E nós precisamos ter uma solução definitiva e não provisória", disse Tasso.

+ Dos 44 senadores que votaram a favor de Aécio, 19 são alvo da Lava Jato

Aécio está afastado do cargo desde maio, após a divulgação da delação da JBS, que o implica diretamente. Em conversa gravada pelo empresário Joesley Batista, o tucano pede R$ 2 milhões. Ele nega que o dinheiro seja propina e diz que foi um pedido de empréstimo para pagar sua defesa na Operação Lava Jato.

Mesmo afastado da presidência do partido, Aécio continuou a ter influência e conseguiu manter o PSDB na base aliada de Michel Temer. O senador é um dos principais fiadores da sigla do apoio ao peemedebista.

Já Tasso tem dado sinais de que pode ceder à ala que defende a ruptura com Temer, encabeçada pelos autointitulados cabeças-preta, ala mais jovem de deputados tucanos.

Tasso disse que não havia conversado com Aécio ainda sobre o assunto. Após chegar ao Senado, ele se reuniria com Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), também defensor da saída do PSDB da base.

SUPREMO

Apesar de defender a renúncia de Aécio do comando tucano, o presidente interino defendeu a votação que derrubou as medidas cautelares contra o colega de partido. Segundo ele, porém, a decisão foi mal interpretada."A decisão da maioria é mal interpretada. Ao meu entender é dar ao senador Aécio o que ele não teve até agora que foi direito de defesa."

Para Tasso, porém, apesar de poder retomar o mandato parlamentar, os problemas de Aécio ainda não acabaram. "Agora, aqui no próprio Senado ele vai ter o Conselho de Ética e ele vai ter que se defender. Ao mesmo tempo, o julgamento no STF continua. E ai no STF também ele vai ter o direito de apresentar a sua defesa", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.