Tasso atribui ?suspensão? de candidatura a intrigas

O governador do Ceará, Tasso Jereissati, anunciou hoje, em Porto Alegre, a retirada de sua candidatura à Presidência da República pelo PSDB, atribuindo a decisão a ?intrigas efutricas? criadas em torno da disputa com o ministro da Saúde, José Serra. O recuo, segundo o governador, representa uma ?suspensão da campanha? para ?preservar o partido? do embate interno e será comunicado nesta quarta-feira à noite ao presidente Fernando Henrique Cardoso. Ele próprio não descarta, entretanto, a possibilidade de seunome voltar à discussão se a candidatura Serra ?não decolar?.?Suspendo a minha campanha, mas não sou candidato de mim mesmo. Se o partido me chamar de volta, meu nome está à disposição?, afirmou Tasso em entrevista no Hotel Plaza São Rafael. ?Vou torcer para que o ministro Serra se imponha, mas caso sua candidatura não decole éimportante que tome uma atitude como a minha.?O governador cearense fez críticas à condução do processo interno de escolha do candidato à sucessão presidencial. ?Não estava satisfeito com o que estava acontecendo dentro do partido, sujeito a uma rede de intrigas que não faz parte da minha vida. Esse não é o meu jeito de fazer política?, disse Tasso. Questionado sobre quem estaria fazendo intrigas, desconversou. ?Vocês são jornalistas e devem saber melhor do que eu.?De acordo com o governador, o ministro Serra é, no momento, o candidato em melhores condições de enfrentar a sucessão pelo PSDB. ?É um ministro bem sucedido, tem feito um bom trabalho e tem todos os mecanismos para se apresentar à população?, afirmou. Aliados de Tasso,entretanto, consideram essas declarações uma tática para jogar toda a responsabilidade sobre os ombros de Serra. ?Estou dando pré-condições para que internamente nada possa atrapalhar?, explicou, sem definir um prazo para que a candidatura Serra se viabilize eleitoralmente. Para Tasso, o PSDB também deve ?prestar profunda atenção? à manutenção da aliança com os partidos que apoiaram FHC em 1994 e 1998 para ?não correr o risco de sofrer um retrocesso?. ?Qualquer candidatura, inclusive a do Serra, tem que ter essa probabilidade de aglutinar e não de dividir?, disse Tasso. Segundo ele, o partido não pode iniciar as negociações com o PFL estando fechado sobre a cabeça de chapa. ?Não defendo a candidatura da governadora Roseana Sarney, mas acho que se estamos falando de aliança, você tem de ir aberto. A candidatura da Roseana está bem colocada. É uma realidade que nós temos de encarar.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.