Tasso abre Congresso do PSDB com críticas ao governo Lula

Presidente da legenda reclama do loteamento da Petrobras e outros setores entre PT e aliados

Cida Fontes,

22 de novembro de 2007 | 12h10

Ao abrir o Congresso Nacional do PSDB, o presidente do partido, senador Tasso Jereissati (CE), fez críticas ao governo Lula. Ele afirmou que a Petrobras se transformou em "um enorme saco de retalhos loteado entre os partidos que dão sustentação ao governo, sobretudo o PT". Tasso ressaltou que os lucros da Petrobras vem apresentando redução. E afirmou: "a empresa virou também ponto de referência de novos escândalos". Na mesma linha, ele criticou a má gestão dos setores de telefonia e energia, que são pontos de disputa entre PT e PMDB. O senador, que deixa o comando do PSDB na sexta-feira, fez um histórico dos compromissos cumpridos há vinte anos pelo partido e salientou a discussão sobre o novo programa partidário que irá definir as novas metas e rumos para o país para os próximos anos. "O mais grave neste momento é que o governo do PT promoveu a corrupção que ficou vulgarizada de tal maneira que é multiplicada em muitos órgãos, dando para a população um exemplo de que o governo não tem valores éticos e isso desorganiza a sociedade". Ele acrescentou a necessidade de retomar os valores éticos e morais. Ao longo do dia, o PSDB vai discutir a proposta do novo programa do partido. A partir das 16h30, está previsto um painel com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e governadores. Na sexta, pela manhã, será votado o novo programa. Depois, na convenção nacional, o PSDB elegerá o novo diretório e a executiva do partido. O senador Sergio Guerra (PE) irá substituir Tasso Jereissati na presidência do PSDB.

Tudo o que sabemos sobre:
Congresso do PSDB

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.