Tarso se lançará candidato em convenção

Ministro diz que ?não é uma proposta fechada?, mas espera apoio de 70%

Fabiana Cimieri, RIO, O Estadao de S.Paulo

17 de julho de 2009 | 00h00

O ministro da Justiça, Tarso Genro, está confiante em que será escolhido como pré-candidato do PT ao governo do Rio Grande do Sul, no sábado, quando ocorre a convenção partidária no Estado. Tarso calcula que deverá receber cerca de 70% dos votos dos delegados. "Vamos oferecer o nome para nossos aliados, não é uma proposta fechada", afirmou ele, acrescentando que o PT vai compor com uma ampla base de aliados, como o PDT, PC do B, PSB e PTB."Se o partido me indicar, como efetivamente deve ocorrer, e se os aliados compuserem conosco, vou ter muito orgulho de representar o governo do presidente Lula no pleito do Rio Grande do Sul."O ministro, que participou ontem de manhã de evento do Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania (Pronasci), no Rio, comparou as denúncias de corrupção contra o governo da tucana Yeda Crusius (PSDB), no Rio Grande do Sul, com a que é enfrentada pelo Senado. "É uma crise política que tem de ter explicações técnicas e legais, tanto nos fatos que aconteceram no Estado, quanto no Senado."De acordo com Tarso, ele não deverá se aproveitar dessas denúncias em uma eventual campanha. Em sua opinião, o debate eleitoral deve discutir qual é o melhor projeto para uma gestão pública eficiente, desenvolvimentista e inclusiva. "Essa crise política não vai eleger o governador. O que vai elegê-lo é a capacidade de apresentar alternativas para um Estado que está numa letargia econômica, política e social muito grande."A vitória de Yeda nas eleições de 2006 foi uma surpresa. Ela derrotou o então governador Germano Rigotto (PMDB) e o ex-governador Olívio Dutra (PT), no primeiro turno, e superou o candidato petista no segundo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.