Tarso quer reformar universidade com "processo constituinte"

O novo ministro da Educação, Tarso Genro, reafirmou hoje, em entrevista ao Bom Dia Brasil, da TV Globo, a sua intenção de promover uma espécie de "processo constituinte" para a reforma da Universidade, com a participação de todos os segmentos envolvidos. A idéia, segundo ele, é montar um grupo executivo, dirigido pelo Ministério, para estabelecer prazos e metodologia para definir diretrizes e transformá-las em projeto de lei. O novo ministro reafirmou também ser favorável à política de cotas de negros nas universidades, mas disse não concordar com a "ilusão" de que isso possa resolver o problema do ingresso do negro nas universidades do País. Ele disse que a política de cotas será aplicada, mas dentro de políticas sólidas de médio e longo prazo. Para o ministro ao invés de se degradar o ensino para facilitar o acesso é preciso elevar o nível da população para que ela chegue a uma universidade moderna e qualificada. Para isso, admitiu, é preciso adotar critérios mais severos de avaliação das faculdades particulares. O novo ministro da Educação disse que tem estilo diferente do seu antecessor, Cristovam Buarque, a quem respeita. Tarso Genro se refere principalmente a questão dos recursos disponíveis para a educação. "Eu, como integrante do governo, não vou tomar medidas e nem propor projetos transferindo o ônus de me darem recursos antes de conversar com a totalidade do governo para ver se isso é possível", disse o ministro. A cerimônia de transmissão de cargo ao novo titular da pasta está marcada para logo mais, às 11 horas, no Ministério.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.