Tarso não vê crise em veto de Lula a reajuste do MP

O ministro das Relações Institucionais, Tarso Genro, afirmou nesta quarta-feira que não crê no início de uma crise entre o governo e a Procuradoria-Geral da República por causa do veto do presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao reajuste de 12% no salário dos 14 integrantes do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP)."Há hoje um grande amadurecimento nas relações entre o parlamento, o Judiciário e o governo", afirmou Tarso, antes de fazer palestra em fórum sobre territórios rurais realizado num hotel de Brasília. O veto, de acordo com o ministro, foi feito a partir de recomendação do setor jurídico do governo."Tudo o que o governo fizer, fará dentro da estrita margem da legalidade e sem nenhum tipo de afrontamento entre os Poderes. E esse diálogo do Judiciário com o governo já se demonstrou exemplar em outras oportunidades e vai continuar sendo", disse o ministro. Além de vetar o reajuste de 12% no salário dos integrantes do conselho do Ministério Público, Lula anulou também a criação de 58 cargos de confiança para o órgão. O veto foi publicado nesta quarta no Diário Oficial da União e o aumento geraria uma gratificação, conhecida como jeton, a ser paga por cada sessão do CNMP. Como são realizadas duas sessões por mês, o salário dos procuradores saltaria de R$ 23.275 para R$ 28.861, ultrapassando o teto do funcionalismo, que é de R$ 24.500.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.