Tarso não chega a acordo com movimento grevista da PF

No esforço para acalmar os ânimos e evitar a primeira greve nacional no segundo mandato do governo Lula, o ministro da Justiça, Tarso Genro, reuniu-se nesta segunda-feira, 26, com as categorias que integram a Polícia Federal. Apesar do esforço, Genro não conseguiu dissuadir os policiais do movimento e nesta quarta-feira haverá uma paralisação de advertência de 24 horas, preparatória da greve geral. Nesse dia não serão emitidos passaportes nem realizados serviços de rotina da PF. Apenas os serviços essenciais serão mantidos. Os policiais federais reivindicam 30% de reajuste, acertado no último acordo salarial de 2006 , mas não foi cumprido até agora, além da lei orgânica da PF e da reestruturação da instituição.Ao deixar a reunião, Tarso disse que o governo respeita o movimento "desde que ocorra dentro da lei e da democracia e que prevaleça a responsabilidade e o espírito público". Segundo o ministro não é papel do governo impedir manifestações legítimas dos trabalhadores e que eles serão ouvidos com respeito. Tarso disse também que essa visita, a primeira que um ministro realiza à principal entidade de representação dos policiais federais (Federação Nacional dos Policiais Federais), é uma sinalização da importância que o governo dá à instituição e do seu compromisso em continuar a luta contra o crime organizado e pelo fortalecimento da categoria.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.