Tarso Genro defende uma reforma política no Brasil

Ministro informou que está concluindo os debates para propor um projeto até o final de novembro

Isabel Sobral, de O Estado de S.Paulo

13 de outubro de 2008 | 17h50

O ministro da Justiça, Tarso Genro, defendeu nesta segunda-feira, 13, a realização de uma reforma política no Brasil. Sem mencionar diretamente a iniciativa da liderança do governo na Câmara de pedir estudos sobre uma assembléia nacional constituinte exclusiva para tratar dessa reforma, o ministro informou que seu ministério está concluindo os debates para propor um projeto de reforma política até o final de novembro.    "Estou informado ainda que teve grande repercussão nas eleições municipais a defesa da reforma política. Na assembléia estadual do Rio Grande do Sul, por exemplo, já tem um documento assinado por quase 50 deputados (estaduais), de todos os partidos, fazendo uma movimentação pela reforma política", afirmou.   Ainda segundo o ministro, o atual sistema político brasileiro está "esgotado". "Eu previ que isso iria acontecer por um fato muito simples: o sistema que está aí está esgotado e traz uma distorção brutal", afirmou o ministro, avaliando que todos os partidos políticos são hoje prejudicados por essa distorção. "Esse esgotamento gera a possibilidade de uma unidade política para que nós passemos a um outro patamar civilizatório de regulamentação do sistema eleitoral e do próprio processo eleitoral", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
reforma políticaTarso Genro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.