Tarso diz que reforma não será ´revolução ministerial´

O ministro das Relações Institucionais, Tarso Genro, disse nesta quinta-feira, 15, que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva deve encerrar as conversas com os partidos sobre reforma ministerial por volta do dia 28 de fevereiro. Em entrevista no Palácio do Planalto, Tarso afirmou que o presidente ainda vai conversar na próxima quinta-feira, 22, com o PSB e com o PCdoB, partidos considerados de porte pelo governo para ocupar cargos de primeiro escalão. O ministro evitou comentar a hipótese de a reforma se limitar a uma troca de dez ministérios. "Possibilidades existem. Não se trata de uma revolução ministerial, mas uma reforma que tem por objetivo estabilizar a coalizão de governo e dar cumprimento ao Programa de Aceleração do Crescimento (PAC)", afirmou. O PAC - anunciado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 22 de janeiro deste ano - tem como objetivo destravar a economia e garantir a meta de crescimento de 5%. Prevê investimentos de R$ 503,9 bilhões até 2010 em infra-estrutura: estradas, portos, aeroportos, energia, habitação e saneamento. Marta Suplicy O ministro disse que o governo não recebeu pedido do PT para nomear a ex-prefeita de São Paulo Marta Suplicy como ministra da Educação. A pasta, atualmente ocupada por Fernando Haddad, está sendo reivindicada pelo grupo da ex-prefeita. Outra possibilidade para Marta seria a pasta de Cidades. Na última terça-feira, 13, porém, líderes do PP relataram que o presidente Lula teria dito que Márcio Fortes seria mantido no cargo. A informação não foi desmentida pelo Planalto. O presidente Lula, segundo o ministro, quer anunciar as mudanças no ministério em conjunto e não apresentar nomes em separado. Ele confirmou a informação de que o presidente estaria conversando com os chefes das Forças Armadas para a escolha de novos comandantes. Tarso comentou ainda que o presidente já se manifestou favorável a um mandato presidencial de cinco anos sem reeleição. No entanto, o ministro afirmou que o Planalto não pretende enviar uma proposta com essa finalidade ao Congresso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.